Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate pesado



Veículos idênticos ou relacionados:


M60-A1 Patton
Carro de combate pesado

M60-A2
Carro de combate pesado

M60-A3 TTS
Carro de combate pesado

Magach 7C
Carro de combate pesado

Zulfiqar
Carro de combate médio

M60 «SABRA»
Carro de combate pesado

M60-120S
Carro de combate pesado

 

M60-A2
Carro de combate pesado (Detroit Tank Factory)
M60-A2

Projeto: Detroit Tank Factory
Estados Unidos da América
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
6.95
7.33m
3.63m
3.1M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
44t
51.48t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Continental AVDS-1790-2 Diesel
750cv
50 Km/h
25 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
N/disponível
450Km
4
N/disponivel
0M
0M

Armamento básico
- 1 x 152mm M81 (Calibre: 152mm - Alcance estimado de 0.8Km a 2Km)
Misseis / foguetes de artilharia
Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

O desenvolvimento do sistema M551 Sheridan e do que se acreditava ser o seu revolucionário armamento de 152mm, levou o secretário da defesa Robert McNamara a aceitar o desenvolvimento de uma versão do carro de combate M60, com uma torre adaptada para a instalação dessa arma.

O desenvolvimento foi lento e a isso não foi estranha a complexidade da arma principal, especialmente considerando o desenvolvimento da tecnologia na década de 1960.
Em 1966 o congresso americano aprovou a compra de 243 torres e a transformação de 243 M60-A1 para o novo padrão. No ano seguinte estava prevista a aprovação de verbas para a transformação de outros 300 carros de combate. Porém, os atrasos com o desenvolvimento dos mísseis acabaram por adiar o pedido e o primeiro M60-A2 só ficou operacional em 1973. A produção durou até 1975, altura em que 540 exemplares foram concluidos.
O M60-A2 transportava 33 munições de 152mm mais um total de 13 mísseils Shillelag.

Os carros de combate foram colocados em unidades no teatro de operações da Europa, mas ficaram ao serviço apenas até ao final da década de 1970.
O armamento de 152mm mostrou ser menos eficiente que o de 105mm e o míssil Shillelag foi uma tremenda decepção. No final da década estava já em desenvolvimento o míssil TOW, que era muito superior ao Shillelag.

Com o falhanço da ideia, muitos M60-A2 foram mais tarde convertidos para o padrão M60-A3, com a substituição da torre. Alguns foram convertidos para veículos lança-pontes (M60 AVLB) enquanto que outros foram utilizados como viaturas de treino para condutores de carros M60.

Informação genérica:
Familia de veículos de combate com origem no periodo imediatemente seguinte à II guerra mundial, que se desenvolve a partir dos tanques Pershing e Patton.

As origens do M60 encontram-se por isso no desenvolvimento ainda durante a II guerra do carro de combate M26 «Pershing», que fora desenhado com o objectivo de se superiorizar a qualquer tanque alemão.
Os norte-americanos nunca deixaram de melhorar e aperfeiçoar o conceito, pelo que ainda na década de 1940 surgiu a série M-46/ M-47 e durante a década de 1950 a série M48. A série M60 começou a ser concebida ainda em 1956.

Nessa altura, a grande profusão de viaturas blindadas que estavam ao serviço nas forças armadas americanas e europeias levou a um esforço de reorganização de que ressaltou a decisão de fazer alterações na estrutura das unidades blindadas. Decidiu-se desenvolver apenas um tanque leve, um tanque médio e abandonar o tanque pesado (M103) substituindo-o por uma uma versão melhorada do M48.

As viaturas de série M26 / M46 são discutidas neste link.
Enquanto que as viaturas do tipo M47 / M48 são discutidas neste link.

Em meados da década de 1950, também tinha sido conhecida a entrada ao serviço do novo tanque T-55 soviético, equipado com uma nova arma de 100mm e uma blindagem de até 200mm na torre.

Isto tornava inuteis os canhões de 75mm dos tanques leves e tornava muito dificil utilizar eficazmente os canhões de 90mm dos tanques médios.

Embora a concepção de um tanque completamente novo fosse considerada, essa opção demoraria muito tempo. Como os T-54 e T-55 estavam já nas linhas de montagem, era forçoso partir do já existente M48 para a partir daí desenhar uma arma eficaz para derrotar a ameaça.

O projeto de novo tanque, tomaria a forma do MBT-70, uma cooperação entre a Alemanha e os Estados Unidos, que só daria frutos na década de 1980.

O canhão britânico L7 de 105mm, podia ser adaptado na torre do M48, o que facilitava o desenvolvimento.
Aliás, os testes do novo canhão foram feitos em três M48 modificados.

O M60, utilizaria um motor a Diesel em vez do motor a gasolina do M48 e os testes do modelo experimental terminaram em 1959, com uma primeira encomenda por parte do governo americano de 180 exemplares.

A versão do M48, com o novo canhão de 105mm passou também a ser designada M48-A5 e passou a constituir uma opção de exportação. Em termos de poder de fogo e electrónica o M48-A5 era idêntico ao M60-A1.

M-60
Versão original que entrou ao serviço em 1960. Caracterizava-se pela sua superior blindagem quando comparado com o M48 mas principalmente pela introdução do canhão L7 de 105mm que era superior até ao canhão de 115mm do tanque T-62 soviético.

M60-A2
Resultado da obsessão com a tecnologia por parte da administração Kennedy e do secretário da defesa Robert McNamara, o M60-A2 utilizava um tipo de torre e armamento revolucionário, que no entanto mostrou não ser tão eficiente quanto o canhão L7 de 105mm.

M60-A3
Durante a década de 1970, com o aparecimento dos tanques da família T-64 e T-72, o M60 ficou em desvantagem.
Foi então decidido implementar um programa de modernização que incluiu novos sistemas electrónicos e capacidade para combate nocturno.


Versões mais recentes

Mais recentemente, o M-60 foi completamente modificado e apresentado quase como um novo tanque pela General Dynamics com o tanque 120S.

Também Israel que utilizou muitos destes carros de combate, desenvolveu o SABRA, outra versão muito modificada do M-60 que também foi vendida para para a Turquia.

A linha de montagem do M60 deixou de fornecer carros de combate para o exército americano em 1985, mas continuou ao serviço durante vários anos, para garantir o fornecimento de uma encomenda de carros de combate deste tipo para o exército egipcio, que pretendia substituir a grande quantidade de viaturas T-55 que tinha ao serviço.