Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate pesado



Veículos idênticos ou relacionados:


M60-A1 Patton
Carro de combate pesado

M60-A2
Carro de combate pesado

M60-A3 TTS
Carro de combate pesado

Magach 7C
Carro de combate pesado

Zulfiqar
Carro de combate médio

M60 «SABRA»
Carro de combate pesado

M60-120S
Carro de combate pesado

 

Magach 7C
Carro de combate pesado (Detroit Tank Factory)
Magach 7C

Projeto: Detroit Tank Factory
Estados Unidos da América
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
7.1
9.43m
3.63m
3.25M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
51t
55t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
AVDS-1790-2A
908cv
65 Km/h
30 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
1400 Litros
550Km
4
60º
30º
1.2M
2.6M
0.9M

Armamento básico
- 1 x 105mm M68 (Calibre: 105mm - Alcance estimado de 4.4Km a 4.4Km)
Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

Os carros de combate Magach-6 e Magach-7 são viaturas M60 fabricadas nos Estados Unidos e que foram submetidas a modificações e modernizações em Israel, relacionadas com as necessidades operacionais do exército daquele país, resultado da experiência de combate adquirida nas várias guerras que Israel manteve com vários dos seus vizinhos árabes na década de 1960 e 1970.

Os M60 de Israel foram sendo convertidos para diferentes padrões, distinguindo-se dois padrões básicos.

MAGACH 6
O primeiro, é basicamente um M60-A1 ou M60-A3, convertido para um padrão desenhado em Israel e que consiste essencialmente na junção de uma cobertura de módulos de blindagem reactiva.

Esta solução resultou da análise dos problemas encontrados durante a guerra do Yom Kippur, em que muitos M60 foram inutilizados com a utilização de mísseis anti-tanque soviéticos e de sistemas do tipo RPG-7.



MAGACH 7
Já depois da invasão do Líbano em 1982, Israel decidiu continuar a incrementar as várias adições à sua linha de tanques Magach.
Assim, foi desenvolvido o Magach-7 que se identifica, pela inclusão de uma torre com um perfil modificado.

A torre, utiliza blindagem passiva e não blindagem reactiva, já que no final da década de 1980, foram introduzidos novos típos de míssil, destinados a ultrapassar com facilidade a blindagem reactiva.
O resultado foi um grande aumento no peso do veículo, de que resultou a necessidade de incluir um motor novo e mais potente.

Várias séries de Magach-7 foram desenvolvidas. As primeiras apresentam a parte frontal da torre, num angulo quase reto, enquanto que as versões posteriores apresentam a parte frontal da torre em cunha, com melhor perfil balístico.


Uma derivação ainda mais poderosa do Magach 7C foi desenvolvida, incluindo uma nova peça principal de 120mm. Este veículo no entanto recebeu a designação de M60 «Sabra».

A designação Magach-7C foi entretanto utilizada para uma nova versão do Magach, que mantém a peça principal de 105mm, mas que introduz uma suspensão revisada, mais macia e as lagartas do carro Merkava.

Além disso foi incluida uma nova torre, com um perfil balístico mais adequado e blindagem passiva, capaz de resistir aos ataques de RPG's de última geração, com ogiva multipla.

Informação genérica:
Familia de veículos de combate com origem no periodo imediatemente seguinte à II guerra mundial, que se desenvolve a partir dos tanques Pershing e Patton.

As origens do M60 encontram-se por isso no desenvolvimento ainda durante a II guerra do carro de combate M26 «Pershing», que fora desenhado com o objectivo de se superiorizar a qualquer tanque alemão.
Os norte-americanos nunca deixaram de melhorar e aperfeiçoar o conceito, pelo que ainda na década de 1940 surgiu a série M-46/ M-47 e durante a década de 1950 a série M48. A série M60 começou a ser concebida ainda em 1956.

Nessa altura, a grande profusão de viaturas blindadas que estavam ao serviço nas forças armadas americanas e europeias levou a um esforço de reorganização de que ressaltou a decisão de fazer alterações na estrutura das unidades blindadas. Decidiu-se desenvolver apenas um tanque leve, um tanque médio e abandonar o tanque pesado (M103) substituindo-o por uma uma versão melhorada do M48.

As viaturas de série M26 / M46 são discutidas neste link.
Enquanto que as viaturas do tipo M47 / M48 são discutidas neste link.

Em meados da década de 1950, também tinha sido conhecida a entrada ao serviço do novo tanque T-55 soviético, equipado com uma nova arma de 100mm e uma blindagem de até 200mm na torre.

Isto tornava inuteis os canhões de 75mm dos tanques leves e tornava muito dificil utilizar eficazmente os canhões de 90mm dos tanques médios.

Embora a concepção de um tanque completamente novo fosse considerada, essa opção demoraria muito tempo. Como os T-54 e T-55 estavam já nas linhas de montagem, era forçoso partir do já existente M48 para a partir daí desenhar uma arma eficaz para derrotar a ameaça.

O projeto de novo tanque, tomaria a forma do MBT-70, uma cooperação entre a Alemanha e os Estados Unidos, que só daria frutos na década de 1980.

O canhão britânico L7 de 105mm, podia ser adaptado na torre do M48, o que facilitava o desenvolvimento.
Aliás, os testes do novo canhão foram feitos em três M48 modificados.

O M60, utilizaria um motor a Diesel em vez do motor a gasolina do M48 e os testes do modelo experimental terminaram em 1959, com uma primeira encomenda por parte do governo americano de 180 exemplares.

A versão do M48, com o novo canhão de 105mm passou também a ser designada M48-A5 e passou a constituir uma opção de exportação. Em termos de poder de fogo e electrónica o M48-A5 era idêntico ao M60-A1.

M-60
Versão original que entrou ao serviço em 1960. Caracterizava-se pela sua superior blindagem quando comparado com o M48 mas principalmente pela introdução do canhão L7 de 105mm que era superior até ao canhão de 115mm do tanque T-62 soviético.

M60-A2
Resultado da obsessão com a tecnologia por parte da administração Kennedy e do secretário da defesa Robert McNamara, o M60-A2 utilizava um tipo de torre e armamento revolucionário, que no entanto mostrou não ser tão eficiente quanto o canhão L7 de 105mm.

M60-A3
Durante a década de 1970, com o aparecimento dos tanques da família T-64 e T-72, o M60 ficou em desvantagem.
Foi então decidido implementar um programa de modernização que incluiu novos sistemas electrónicos e capacidade para combate nocturno.


Versões mais recentes

Mais recentemente, o M-60 foi completamente modificado e apresentado quase como um novo tanque pela General Dynamics com o tanque 120S.

Também Israel que utilizou muitos destes carros de combate, desenvolveu o SABRA, outra versão muito modificada do M-60 que também foi vendida para para a Turquia.

A linha de montagem do M60 deixou de fornecer carros de combate para o exército americano em 1985, mas continuou ao serviço durante vários anos, para garantir o fornecimento de uma encomenda de carros de combate deste tipo para o exército egipcio, que pretendia substituir a grande quantidade de viaturas T-55 que tinha ao serviço.