Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate médio



Veículos idênticos ou relacionados:


M3-A1 Stuart
Carro de combate leve

M5-A1 Stuart
Carro de combate médio

X1A2
Carro de combate leve

 

M5-A1 Stuart
Carro de combate médio (General Motors)
M5-A1 Stuart

Projeto: General Motors
Estados Unidos da América
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
4.33
n/disponivel
2.24m
2.29M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
14t
15.2t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
2 x Cadillac V8 121cv
242cv
64 Km/h
35 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
N/disponível
160Km
4
20º
25º
0.91M
1.83M
0.61M

Armamento básico
- 1 x 37mm M3/M6 m.38 L/53 (Calibre: 37mm - Alcance estimado de 1Km a 1.7Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Estados Unidos da América
Designação Local:M-5
Qtd: Máx:0 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
Os M-5 substituíram e complementaram os M-3 no exército dos Estados Unidos, mas a sua fraca blindagem e armamento inferior foram logo reconhecidos como desvantagem pelos próprios norte-americanos.

O M-5 «Stuart» também foi utilizado pela primeira vez no norte de África, onde as suas prestações e qualidades não foram distintas do mais antigo embora virtualmente identico M-3 «Stuart»

A peça de 37mm era virtualmente inútil contra qualquer carro de combate alemão que estivesse no campo de batalha a partir de meados de 1942. Um ano mais tarde, os alemães tinham começado a utilizar «saias de protecção» por causa da ameaça dos canhões dos tanques russos de 76mm dos tanques T-34, e introduziram essa modificação nos seus veículos blindados em África, tornando o 37mm dos M-5 virtualmente inútil.

Quando as forças americanas desembarcaram na Normandia em Junho de 1944, encontraram-se perante unidades alemãs organizadas em «destacamentos de caça tanques». Estes caça tanques utilizados em posições defensivas eram muito mais poderoos que os M-5 e a sua blindagem era absolutamente impenetrável perante os canhões de 37mm que só poderiam perfurar a blindagem de um Panzer-IV a 10 ou 20 metros de distância. Contra a blindagem de um tanque «Panther» ou «Tiger» o 37mm era pura e simplesmente inutil.

Os americanos reduziram logo em 1942 / 1943 o número de tanques leves por divisão (passando de 126 para apenas 51) e passaram a utilizar este tipo de armamento para apoio da infantaria movel, transportada nos «Halftrack» mas o canhão de alta velocidade de 37mm fora concebido para perfurar blindagem e não para a utilização de munição explosiva mais adequada contra infantaria, pelo que a sua utilidade era mínima. Os M-5 também passaram a ser utilizados para missões de reconhecimento e para segurança das forças na retaguarda.

Nos finais de 1944, o M-5 era considerado tão inutil como viatura para as primeiras linhas que os generais norte-americanos no terreno pressionavam directamente os responsáveis pela industria de armamento para que o novo tanque leve M-24 substituísse o M-5 com a urgência que fosse possível.
A urgência para a substituição do veículo foi tal, que as encomendas para o M-24 acabaram por substituir as encomendas do M-5 cuja produção foi suspensa a partir de Abril de 1944, dando lugar ao M-24.


Forum de discussão

A necessidade de grandes quantidades de veículos, levou a que a produção de carros de combate nos Estados Unidos tenha sido dividida por várias fábricas.

O carro de combate ligeiro M3-Stuart, sofreu ao longo do periodo em que foi fabricado, várias alterações ao seu projecto, que resultaram no modelo M3-A3.

Com a falta de motores em numero suficiente, sentida ainda antes da entrada dos Estados Unidos na guerra, surgiu uma proposta da General Motors, para fabricar o M3, instalando-lhe dois motores Cadillac, juntamente com um sistema hidraulico de transmissão, que tinha sido introduzido em 1941 para automóveis comerciais.

A ideia foi aprovada, e um veículo foi testado, tendo efectuado uma prova durante 800Km com resultados positivos.

O veículo começou a ser produzido, mas teve necessidade de algumas alterações na parte traseira para acomodar o novo sistema motriz, tendo também sido revista a parte frontal (idêntica ao M3A3).

A última versão produzida foi a M5A1, com ligeiras alterações, mantendo no entanto o mesmo tipo de armamento.

Informação genérica:
Familia de carros de combate leves do exército americano, que começou a ser desenhada ainda antes de os Estados Unidos entrarem no conflito.

Este tipo de veículo entrou em combate pela primeira vez em África onde ficou clara a sua enorme debilidade em termos de blindagem.

Além da blindagem muito leve, o M-3 não estava equipado com armamento capaz de perfurar a couraça dos carros de combate alemães (que curiosamente tinham começado por utilizar esse mesmo calibre no inicio da guerra, pois a peça de 37mm do M-3 é derivada de um modelo alemão).

Rapidamente os M-3 foram relegados para missões secundárias, com ordens para não entrarem em combate na presença de veículos pesados alemães. Eles podiam no entanto servir para protecção de unidades de infantaria.

Depois da guerra foram utilizados por vários países europeus e sul americanos.

Entre os mais importantes utilizadores do M3 está o Brasil, país que recebeu uma considerável quantidade de veículos deste tipo e que durante os anos 60 e 70 produziu versões muito modificadas deste veículo.

De entre essas versões destaca-se o X1A3, uma versão radicalmente modificada e potente