Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate leve

Veículos idênticos ou relacionados:


Char D1
Carro de combate leve

Char D2
Carro de combate médio

S-35
Carro de combate médio

 

Char D1
Carro de combate leve (Renault)
Char D1

Projeto: Renault
França
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
5.76
n/disponivel
2.16m
2.4M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
12.5t
14t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Renault V4
74cv
18 Km/h
6 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
180 Litros
90Km
3
N/disponivel
0M
0M

Armamento básico
- 1 x 47mm L/30 SA34 (Calibre: 47mm - Alcance estimado de 0.1Km a 0.4Km)
Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

Após o final da I guerra mundial a França possuia grandes quantidades de carros FT-17, mas a obsolescência do veículo estava já a tornar-se preocupante.
Os generais franceses responsáveis pela arma blindada afirmavam que a viatura não tinha qualquer possibilidade de modernização eficaz e não podia receber uma nova torre.

Foram feitos estudos e apresentadas propostas para viaturas que substituissem ou complementassem o FT-17, mas esses estudos não chegaram a lado nenhum, porque era basicamente tentativas de aumentar o FT-17, o qual não tinha grandes possibilidades de modificação.

Foi por isso decidido desenvolver um projeto completamente novo.
O armamento principal de 47mm foi escolhido, para utilizar contra infantaria a curta distância dado ser considerado um calibre adequado para o que esperavam ser as necessidades futuras.

Depois de o modelo ter recebido a sua designação definitiva de D1, foram encomendadas as primeiras 10 unidades, que foram entregues em 1931.
Os primeiros D1 foram aliás fornecidos com a mesma torre que equipava os carros blindados FT-17. Uma encomenda adicional para mais 150 foi emitida, para fornecimento entre 1932 e 1935.

A blindagem do carro D1, era constituida por placas com 30mm de espessura. Em alguns pontos especialmente vulneráveis, as placas de 30mm eram complementadas por uma placa adicional de 10mm, atingindo-se assim uma blindagem máxima de 40mm.

O Char D1, será o primeiro carro de combate francês equipado com equipamento de radiotelegrafia, utilizando códio Morse.

Entre os principais problemas do Char D1, conta-se o seu motor muito pouco potente, que levava a que fosse utilizado sempre no máximo da potência, o que por sua vez levava a frequentes avarias mecânicas.

O comandante da viatura também tinha que se colocar numa posição elevada na torre para poder analisar a situação tática no terreno, ao mesmo tempo que tinha que sair dessa posição para utilizar o armamento principal.

No ano em que todos os D1 foram entregues eles já eram considerados obsoletos pelos militares franceses, que não só tinham desenvolvido o D2, como acima de tudo já tinham em desenvolvimento o muito mais moderno Somua S-35.

Todas as viaturas foram por isso enviadas para as possessões francesas no norte de África, nomeadamente para o sul da Tunísia, onde os territórios franceses faziam fronteira com os italianos.

Informação genérica:
A França desenvolveu vários carros de combate durante a I guerra mundial e no periodo entre-guerras, desenvolveu alguns carros de combate que inicialmente foram concebidos como pesados e que foram reclassificados como médios.

Dois modelos se destacam pelos números produzidos.

O primeiro é o Char D2, um carro desenvolvido com base no D1 muito mais ligeiro (e que tinha sido pensado para substituir o FT-17 da I guerra). Fabricado pela Renault, ele faz lembrar em alguns aspectos o tanque médio britânico Mark II medium.
A dedicou-se posteriormente a desenvolver uma versão maior do D1 que viria a ser o char B1.

O outro carro de combate médio francês é o carro S35 desenvolvido pela Somua.

Em termos gerais, contráriamente ao que se tornou lugar comum, os carros de combate franceses eram superiores aos alemães em armamento e em blindagem.

O número de carros médios de que os alemães dispunham contra os franceses era mínimo e apenas alguns carros alemães estavam equipados com peças de 50mm.

Todos os veículos alemães que foram utilizados na invasão da França em 1940, tinham equivalentes franceses em maior quantidade, com melhor blindagem e melhor armamento.

Como se pode verificar pelas datas, os militares franceses tinham desenvolvido carros de combate médios em 1932, que em 1940 ainda eram superiores aos que os alemães enviaram contra a França.