Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate médio

 

P26 / P40
Carro de combate médio (Ansaldo)
P26 / P40

Projeto: Ansaldo
Italia
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
5.82
n/disponivel
2.79m
2.52M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
23t
26t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
FIAT V-12
275cv
35 Km/h
16 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
280 Litros
150Km
4
N/disponivel
0M
0M

Armamento básico
- 1 x 75mm L/32 «modello 37» (Calibre: 75mm - Alcance estimado de 0.8Km a 12.5Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: III Reich / Alemanha
Designação Local:P40
Qtd: Máx:103 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
Os atrasos no desenvolvimento do carro de combate italiano P-26, que os italianos consideravam um carro pesado, mas que na realidade era um carro de combate médio, levaram a que o exército italiano nunca chegasse a utilizar operacionalmente a viatura.

Quando a Itália saiu da guerra em 1943 e assinou um armistício com os aliados, o norte do país continuou em mãos alemãs e por isso as fábricas do norte de Itália, a mais industrializada região do país, continuaram a produzir viaturas.

Calcula-se que cerca de uma centena de carros de combate P40 tenham saído das fábricas na região de Genova e entregues ao exército alemão em Itália. O armamento principal de 75mm no entanto, deixou de estar disponível logo após o armistício dado ser produzido em Napoles.


Forum de discussão

O desenvolvimento do carro de combate P40 (inicialmente designado P26) começou em 1940, depois de a Itália ter entrado na guerra.

Os italianos, que tinham sido dos primeiros a utilizar com sucesso pequenas viaturas blindadas contra tribos africanas na Abissinia, sofreram graves revezes na guerra civil de Espanha, quando pela primeira vez os seus pequenos blindados entraram em contacto com os tanques leves soviéticos T-26. Eles começaram logo em 1937 a pensar em novos veículos para substituir os pequenos carros de combate ultra-leves, mas o desenvolvimento italiano resultou numa família de viaturas blindadas que quando entraram em combate já estavam desactualizadas, especialmente no que dizia respeito à blindagem (ver M13 / M41).

Em 1940, já depois da entrada da Itália na guerra, era evidente que os carros italianos não estavam à altura dos franceses (como aliás não estavam os alemães) e era necessário que a Itália desenvolvesse uma nova série de carros, a que os italianos chamaram de «pesante» ou pesados, que além de possuirem blindagem mais poderosa, pudessem receber um armamento principal de maior calibre.

Os italianos apontaram para um carro de combate com um peso em torno das 25t, o que era bastante mais que as 10t do M11/39, que era o mais poderoso carro de combate italiano quando em Junho de 1940 a Itália entrou na guerra.

O modelo italiano aparentava alguma inspiração no Panzer IV alemão, e inicialmente estava prevista uma peça principal de calibre curto, que no entanto acabou por ser rejeitada.
O projeto também foi sendo atrasado por causa da preferência por um motor Diesel, quando na altura a Itália não produzia um motor suficientemente potente para locomover uma viatura com 25 toneladas.

A blindagem máxima da viatura era de 60mm à frente na torre, o que era mais que o carro alemão Panzer Mark IV/E (50mm), mas ao contrário dos alemães os italianos continuaram a desenhar torres com apenas dois tripulantes. O que exigia muito mais esforço do comandante do carro, reduzindo a sua capacidade de combate efetiva.

A falta de um motor adequado e a exigência de um motor novo e a Diesel, especificamente desenhado para o carro de combate, levou a que os atrasos foram-se acumulando e em 1941 ainda não havia uma decisão clara sobre o sistema locomotor.
Já em 1942, foi decidido optar por instalar um motor a gasolina com uma potência de 420cv.

Vinte e um carros deste tipo tinham sido produzidos e estavam em fase de acabamento quando a Itália se rendeu. Todos os veículos estavam na área ocupada pelos alemães, que os requisitaram. Os alemães ordenaram que a produção continuasse após 1943 e utilizaram-nos com a designação

Atraso italiano

Normalmente considera-se que os carros de combate italianos eram inferiores aos seus congeneres alemães, britânicos e americanos do mesmo periodo.

Essa afirmação não pode no entanto ser considerada absolutamente correta porque muitas viaturas italianas foram na realidade concebidas muito antes de a estrutura industrial do país ser capaz de as colocar em campo.

Um dos exemplos é exactamente o P40, que como P26 era na realidade equivalente ao carro de combate alemão Panzer Mark IV de 1940, mas que ao contrário do carro alemão já estava equipado com uma peça de 75mm de cano longo, claramente superior ao seu congénere alemão.

Sendo um projeto de 1940, o P40 italiano era igualmente superior a tudo o que os britânicos e americanos podiam colocar em campo nessa altura.

É a estrutura industrial italiana que não consegue acompanhar o ritmo a que os engenheiros italianos desenvolveram os projetos. Tanto os projetistas como os militares italianos que com eles colaboravam, estavam ao contrário do que muitas vezes se escreve, mais avançados que a maioria dos gabinetes dos países ocidentais.

Informação genérica:
-