Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Sistema lançador de foguetes de artilharia



Veículos idênticos ou relacionados:


TOS-1A «Buratino»
Sistema lançador de foguetes de artilharia

2S19 MSTA-S
Artilharia Auto propulsada

 

TOS-1A «Buratino»
Sistema lançador de foguetes de artilharia (Soviet State Factories)
TOS-1A «Buratino»

Projeto: Soviet State Factories
União Soviética
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
9.5
n/disponivel
3.6m
2.22M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
41t
45.3t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
V-84 MS Diesel
840cv
60 Km/h
20 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
N/disponível
550Km
3
47º
36º
1.3M
3M
0.5M

Misseis / foguetes de artilharia
Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

No final da década de 1970, no auge da guerra fria, a União Soviética começou a desenvolver um sistema que lhe permitisse destruir alvos muito fortificados, através de bombardeamentos de saturação, utilizando ogivas incendiárias e termobáricas.

Em vez da torre, o chassis do T-72 recebeu um lançador com 30 alveolos para foguetes de artilharia com um calibre de 220mm. Todos os foguetes podem ser lançados em 15 segundos.
O sistema inicialmente tinha capacidade para lançar projeteis a distâncias entre 400m e 3500m.

Uma ou duas viaturas de reabastecimento, conhecidas como TZM-T acompanham normalmente o veículo lançador.

O número total de sistemas deste tipo é reduzido. Estima-se que podem ter sido construidos menos de 30 sistemas no total.

O sistema TOS-1 original, com trinta projeteis em vez de 24 no sistema TOS-1A
Utilização operacional

O sistema foi utilizado pela primeira vez em segredo durante a guerra no Afeganistão, numa altura em que a União Soviética já se encontrava desgastada e sem soluções militares para o conflito. Esta arma foi utilizada contra os combatentes Mujaedin no vale de Pantsir.

Proteção

Embora esteja montado em cima do chassis de um tanque médio T-72, o TOS-1 não é especialmente blindado. A blindagem do chassis em principio poderia proteger a tripulação, mas a proteção da unidade de lançamento é tão deficiente, que se calcula que, caso seja atingido, as cargas podem explodir.
No caso de se tratar de cargas termobáricas, isso implica a morte quase certa dos tripulantes e de qualquer pessoal que esteja nas proximidades.

O fato de a arma ser potêncialmente mais perigosa para quem a utiliza que para quem é atacado, poderá explicar porque tão poucos sistemas foram produzidos.

TOS-1A

A versão TOS-1A foi lançada em 1999 e é em tudo parecida com a versão anterior. A principal modificação foi a substituição dos projeteis utilizados, cujo alcance máximo estava em 3.5km e passou para 6 a 9km.

Informação genérica:
O carro de combate médio T-72 desenvolvido como uma opção mais barata ao carro de combate T-64, acabou se transformando num standard nas forças armadas soviéticas e posteriormente russas.

O sucesso da plataforma, acabou por facilitar a sua utilização como plataforma base para vários sistemas de combate e viaturas auxiliares.

De entre estas viaturas destacam-se:

2S19 - MST-S
Sistema de artilharia auto-propulsada de 152mm que substitui o já ultrapassado 2S3 Akatsiya.
O sistema é baseado no chassis do tanque T-80, embora inclua muitos dos componentes do T-72.

TOS-1
Sistema de artilharia de saturação, que utiliza um lançador com capacidade para disparar projeteis de artilharia incendiários ou termobáricos.