Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Veículo de Combate de Infantaria



Veículos idênticos ou relacionados:


BMD-1
Veículo de Combate de Infantaria

BTR-D
Veículo Blindado Transporte Pessoal

2S9 «Nona»
Morteiro autopropulsado

BMD-3
Veículo de Combate de Infantaria

2S25 Sprut-SD
Caça-tanques

BMD-4
Veículo de Combate de Infantaria

 

BMD-1
Veículo de Combate de Infantaria (Volgograd Tractor VTZ)
BMD-1

Projeto: Volgograd Tractor VTZ
Russia
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
5.41
n/disponivel
2.53m
1.85M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
7.5t
8.3t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
5D-20 6cyl
241cv
80 Km/h
45 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
300 Litros
600Km
3
60º
30º
Anfíbio
2M
0.6M

Armamento básico
- 1 x 73mm 2A28 «Grom» (Calibre: 73mm - Alcance estimado de 0.8Km a 1.3Km)
Misseis / foguetes de artilharia
Sistema de radar auxiliar:


Forum de discussão

O desenvolvimento do BMD-1 começou em 1965, resultado de uma nova politica do Kremlin, para desenvolver a capacidade soviética para projetar poder à distância, se necessário utilizando forças para-quedistas e forças transportadas por via aérea.
O BMD-1 pode ser considerado como uma versão ligeira da viatura BMP-1, mas especificamente desenhada para utilização por forças para-quedistas.

O desenvolvimento destes veículos ocorre paralelamente com o desenvolvimento do Antonov An-22 «Antey», embora na altura já estivesse ao serviço o Antonov An-12.

Trata-se de um dos muitos veículos desenvolvidos para armar as poderosas forças aerotransportadas que segundo as táticas soviéticas seriam lançadas na retaguarda das forças da NATO, desarticulando a possibilidade de defesa dos países da aliança e garantindo assim a continuação da progressão do grosso das forças comunistas que deveriam penetrar em território europeu.

O BMD-1 tem uma tripulação de três homens e pode transportar outros seis, no entanto os seis homens não viajam dentro da viatura e sim em cima, pelo que não há proteção para o grupo de infantaria transportado.
A ideia, segundo os projetistas soviéticos, era a de providenciar uma grande capacidade de movimentação às forças para-quedistas moveis, a expensas da proteção que as viaturas poderiam dar.

Armado com mísseis anti-tanque e com um canhão de baixa pressão que disparava munição explosiva HEAT, este carro de combate poderia defrontar tanques ocidentais, desde que estes não possuissem blindagem reativa.
O armamento é no entanto inutil contra carros de combate modernos.

O BMD-1 foi visto pela primeira vez em Novembro de 1973


O BMD-1 pode navegar a 10km/h na água

Informação genérica:
Muitas vezes confundidos com os veículos do tipo BMP, os BMD (Boyevaya Mashina Desantnaya) caracterizam-se por serem mais leves, e especialmente pensados para forças aerotransportadas, enquanto que os BMP são adequados para as forças do exército.

A introdução destes veículos ao serviço começou a ser estudada durante a década de 1950 e os estudos continuaram durante a década de 1960, recebendo mais fundos depois da crise dos mísseis de Cuba, altura em que o então líder russo Krutchov, decidiu impulsionar a capacidade soviética para projetar força.

Essa capacidade de projeção de força necessitava de algum tipo de meio blindado, que permitisse transportar um armamento minimamente capaz de defrontar potênciais ameaças. Isto levou ao desenvolvimento de uma viatura anfíbia, que ao mesmo tempo pudesse ser transportada pelos novos aviões de transporte russos desenvolvidos na década de 1960.

Além de dar às forças aerotransportadas uma capacidade de fogo considerável, o BMD também permitia o transporte de um grupo de seis militares, algo que as antigas peças de artilharia auto-propulsadas ASU-57 aerotransportadas não podiam fazer.

Ao long do tempo porém, e tal como aconteceu com os BMP, também os vários modelos da família BMD têm aumentado o seu peso, mesmo mantendo-se o chassis em aluminio.

Os pricipais modelos da família são o BMD-1 / BMD-2 e os mais recentes BMD-3 / 4.
O primeiro veículo foi desenvolvido ainda nos anos 60 e foi pela primeira vez mostrado em 1973. Estava equipado com uma torre com canhão de baixa pressão de 73mm.

Um variante dedicada à função de veículo de tranpsorte de infantaria foi lançada nos anos 70, com o nome de BTR-D, que era na prática um BRD-2 sem a torre e com um chassis mais longo caracterizado também por uma suspensão uma roda adicional (6 em vez de 5 nos veículos BMD-1 a BMD-4)

O BMD-2, era apenas uma versão modernizada do BMD-1, e equpado com uma torre com um canhão de 30mm.

O BMD-3 foi um desenvolvimento dos dois modelos anteriores e transporta o mesmo tipo de armamento do BMD-2 mas é bastante mais pesado. Utiliza o mesmo armamento do BMP-2.

O BMD-4 foi apresentado em 2006 e está equipado com um canhão de baixa pressão de calibre 100mm, idêntico ao que equipa o BMP-3.

A última derivação do BMD, é o caça-tanques Sprut-SD, armado com um canhão de 125mm com capacidade para penetrar a blindagem de tanques modernos.