Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Caça-tanques

Veículos idênticos ou relacionados:


PzKpfw 38(t) Ausf.E
Carro de combate leve

Strv M/41
Carro de combate leve

Grille ausf.H / sIG-33
Canhão de assalto

Grille ausf.M / sIG-33
Canhão de assalto

PanzerJager 38(t) «Hetzer»
Caça-tanques

 

PanzerJager 38(t) «Hetzer»
Caça-tanques (CKD / BMM)
PanzerJager 38(t) «Hetzer»

Projeto: CKD / BMM
Republica Checa
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
4.87
6.27m
2.5m
2.1M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
14.5t
16.2t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Praga AC/2800 6cil 7.8L
160cv
39 Km/h
15 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
320 Litros
200Km
4
30º
40º
0.9M
1.34M
0.65M

Armamento básico
- 1 x 75mm KwK Mod.40 L/48 (Calibre: 75mm - Alcance estimado de 1.5Km a 1.5Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: III Reich / Alemanha
Designação Local:Jagdpanzer 38(t)
Qtd: Máx:2584 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
Os alemães começaram a utilizar o Hetzer em Abril de 1944, quando o rápido programa de desenvolvimento ficou concluído.

O pequeno tanque de origem checoslovaca, foi o mais eficiente carro de combate da Alemanha no último ano da guerra, e uma das melhores relações entre custo e beneficio na História do exército alemão durante a II Guerra Mundial.

O carro de combate rápidamente se tornou muito apreciado no exército alemão, porque na guerra defensiva travada pelos alemães na fase final da guerra, o Hetzer tinha a vantagem táctica de ser extremamente fácil de esconder nas florestas da Polónia e da Prussia Oriental. O seu canhão de 75mm podia destruir a couraça de praticamente qualquer tanque russo, e a vantagem táctica da emboscada transformava o Hetzer num carro de combate temível.

Os Hetzer foram na sua maioria distribuidos à Wermacht, o exército alemão. Enquanto isso as forças das SS tinham preferência para a utilização dos caça tanques mais potentes como o famoso Jagdpanzer V, com um peso de 46 toneladas e um custo calculado de quatro a seis vezes superior.

O Hetzer, foi o mais importante carro de combate alemão na última batalha pela defesa de Berlim contra as forças de dois grupos de exércitos soviéticos. Nessa altura eles constituiam o núcleo das forças mais eficientes das poucas divisões blindadas que ainda restavam à Alemanha em Abril de 1945.

Panzer Hetzer
Caça tanques Hetzer, pertencente a unidade do 4º exército alemão na cidade de Guben, antes da investida final dos exércitos soviéticos em Abril de 1945


Ele podia defrontar o tanque T-34 a distâncias idênticas, conseguindo perfurar a sua blindagem mais pesada a 100 metros e a torre a 700 metros. Mas quanto ao mais poderoso tanque pesado o IS-2 soviético, o Hetzer não tinha hipoteses, não conseguindo perfurar a couraça do tanque soviético, enquanto que poderia ser atingido a 500 metros de distância pelo tanque russo.

O seu poder de fogo e o seu baixo custo, são também uma demonstração da má capacidade de gestão por parte dos alemães durante a guerra. Incapazes de organizar a industria alemã de forma conveniente, estes acabaram or apostar numa enormidade de modelos que se desenvolveram paralelamente, acabando por exaurir recursos.


Forum de discussão

Embora pequeno (da altura de um homem) o Hetzer (Aquele que lança o engodo), pode ser considerado um dos mais importantes veículo blindados alemães durante a fase final da II guerra.

Os problemas que os alemães começaram a enfrentar em 1942, ainda antes do dersastre de Estalinegrado, quando quantidades crescentes de tanques T-34 começaram a aparecer na frente leste, levaram os generais germânicos a solicitar maior quantidade de peças de artilharia anti-tanque, com preferência para os canhões mecanizados.

Foram estudadas várias soluções para deter o cada vez maior numero de tanques soviéticos. Foram aproveitados chassis de carros de combate mais leves (Panzer II e Panzer III) aos quais foi aplicada uma peça anti-tanque.
Durante 1943 os vários estudos apontaram para uma solução relativamente económica e eficaz, na forma do «Hetzer», com base no chassis do tanque leve checoslovaco LT vz 38, conhecido como Panzer 38(t) no exército alemão.

Canhão de assalto
Na verdade, o Hetzer, foi inicialmente desenvolvido para a função de «canhão de assalto», ou seja, ele não era um equipamento das formações blindadas alemãs, mas sim da artilharia e deveria apoiar a progressão da infantaria.
Mas a falta de carros de combate convencionais, levou o general Guderian a fazer pressões para que esse tipo de veículos fosse utilizado pelas unidades blindadas alemãs.

É por isso que o Hetzer foi inicialmente chamado de «Sturmgeschutz neue» (novo canhão de assalto) pela artilharia da Wermacht e posteriormente passou a ser conhecido pela designação que lhe foi dada pelo comandante dos blindados, Panzerjagger 38(t) ou Caça-tanques modelo 38 «T»checoslovaco.

Pequeno, com uma blindagem relativamente leve mas bastante inclinada, ele recebeu um canhão de 75mm de alta velocidade no casco. A colocação de um canhão no casco do pequeno tanque facilitou a absorção do impacto dos disparos e permitiu a colocação de uma peça de 75mm num chassis que inicialmente (ver tanque 38-T) fora concebido para um canhão de 37mm.
Embora o tanque PzKpfw-38(t) fosse originalmente um producto da CKD/BMM, os Hetzer foram construidos na fábrica checoslovaca da Skoda.

Panzer Hetzer
Foto de um caça-tanques Hetzer na actualidade. Pequeno e de baixo perfil, ele era extremamente eficiente na sua função de destruir tanques e blindados soviéticos.
No entanto nem tudo era bom no Hetzer. Ele era bastante apertado e transportava apenas 50 munições para a arma principal. O motor que equipou o Hetzer, embora mais potente que o original chegavao aos 160 cavalos mas não era suficiente para conseguir atingir uma velocidade de 40Km/h em estrada ou mais de 15Km/h em terreno irregular.
A relativa fraca potência do motor também não permitia ao Hetzer subir colinas ou obstaculos com um grau de inclinação superior a 30 graus.

A principal razão para a menor potência - por comparação com o PzKpfw-38(t) - para isto, foi o aumento da blindagem, que atingiu os 60mm, o aumento das dimensões do motor, o ligeiro aumento da largura do veículo e o canhão mais pesado. O Hetzer era também presa fácil se fosse atingido por tanques como o T-34 ou pelos canhões anti-tanque soviéticos.

O carro de combate tinha que basear a sua defesa na dissimulação, pelo que na maioria das vezes vemos fotografias do Hetzer com camuflagem de folhas, além do seu já de si intrincado esquema de camuflagem.



Os veículos Hetzer começaram a saír das fábricas na Checoslováquia no inicio de 1944, mais ou menos na mesma altura em que os caça-tanques baseados no Panzer-IV também começaram a ser entregues. O Hetzer era do ponto de vista puramente racional muito mais eficiente que os muito maiores carros derivados do «Panther».

Abaixo, comparação entre o pequeno Hetzer, derivado do tanque checoslovaco 38(t) armado com um canhão de 75mm e o «Jagdpanther» baseado no carro de combate «Panther» e armado com um canhão de 88mm.


O custo relativamente reduzido do Hetzer permitiu que mais de 2.500 unidades fossem entregues. O Hetzer não poderia ter determinado o resultado do conflito, mas é uma demonstração do caminho que a industria alemã podia ter seguido, em vez de se dispersar na concepção de uma grande variedade de produtos, muitos deles muito eficientes mas muito mais caros.

Informação genérica:
Os veículos desta familia de carros de combate são baseados no tanque de origem Checoslovaca baptizado de «TNHP-S 38» pela empresa checoslovaca CKD e conhecido como LT vz 38, designação dada pelo exército da Checoslováquia. O veículo foi posteriormente baptizado pelos alemães de PzKpfw 38(t), e o (t) quer dizer Tchecoslovaco e não Toneladas.

São dos veículos menos conhecidos e muito mais importantes para o esforço de guerra alemão que o que é geralmente notado.

O PzKpfw 38(t) foi utilizado no inicio da II guerra mundial e era na altura um veículo de poder e capacidade superior aos Panzer II alemães. O calibre do seu armamento colocava-os mais próximo do tanque Panzer-III, embora o seu canhão não tivesse a mesma capacidade de perfuração.

A família deu também origem ao caça tanques Hetzer, hoje considerado o melhor blindado caça-tanques alemão (pela sua excelente relação entre preço e poder de fogo) e ao veículo de artilharia Marder.

Alguns dos veículos desta família foram exportados para O Peru e o Irão antes da guerra (versões iniciais menos blindadas e também mais leves). Durante a guerra foram exportados para a Hungria e a Romenia, e depois da guerra os Hetzer chegaram a ser exportados para a Suiça. A Suécia fabricou o tanque sob licença, sob a designação Strv-M/41 e posteriormente uma viatura blindada de transporte de pessoal com base no mesmo chassis, conhecida como Pbv-301 e que deu origem a uma linha completamente nova de veículos suecos.

Notar ainda que parte dos veículos da marca CKD/Tatra (conhecida como BMM durante a ocupação alemã), foram igualmente fabricados pela sua concorrente Skoda, para aproveitar a capacidade de produção das fábricas checoslovacas.

Carros de combate

PzKpfw 38(t) Ausf A - Modelo original checoslovaco (1939)
9,4t e canhão SKODA A-7
Blindagem frontal de 25mm e lateral de 15mm

PzKpfw 38(t) Ausf B (Jan-Mai 1940)
Introduz as primeiras modificações exigidas pelos alemães, ainda que muito ligeiras.

PzKpfw 38(t) Ausf C (Jun-Sep 1940)
Proteção adicional no anel da torre, um radio alemão: 110 produzidos

PzKpfw 38(t) Ausf D (Sep-Nov 1940)
Modificações ao nível da blindagem frontal:
105 produzidos

PzKpfw 38(t) Ausf E / Ausf F (Nov-1940 Mai-1941)
Blindagem frontal de 50mm, blindagem lataral de 15mm, com placa adicional de mais 15mm: 275 produzidos

PzKpfw 38(t) Ausf G - Versão de comando: 324 produzidos.

Canhões de assalto pesados:
- Grille ausf.H
- Grille ausf. M

Caça-tanques:
Hetzer

Panzerjagger
O veículo alemão do tipo caça-tanques, é uma evolução dos veículos do tipo «canhão de assalto».

Ao contrário dos tanques tradicionais típicos da arma blindada, (com uma torre e um canhão que dispara projecteis a alta velocidade destinados a perfurar a blindagem), os veículos blindados equipados com um canhão no casco (com quase nenhuma capacidade de deriva) eram vistos como inadequados pelos especialistas em blindados.

O general Guderian (ao lado), o maior especialista alemão em blindados, não gostou da ideia co «canhão de assalto», mas os custos do equipamento (mais reduzidos que os de um tanque) e a predilecção de Hitler pelo conceito condicionaram, a evolução deste tipo de armamento.

Muito por influência de Hitler, mas também como resultado da necessidade de peças anti-carro móveis na frente leste, o canhão de assalto vai ser modificado, recebendo armamento adequado para ataque contra tanques em substituição da peça de artilharia adequada para atacar infantaria. Nascerá assim o caçador de tanques ou Panzerjagger.

O facto de esse tipo de solução ser muito mais económica que o tanque convencional também levou a que cada vez maiores quantidades destes veículos fossem construídas.
O Chassis utilizado para este tipo de veículo, foi inicialmenteo o chassis do Pz.IV, e posteriormente também o tanque «Panther», foi adaptado para a aplicação deste conceito, no que resultou no mais eficiente caça-tanques da guerra.

O canhão sem deriva foi igualmente aplicado em chassis pesados, como os do tanque «Tiger-I» e «Tiger-II» e em chassis mais leves como o do tanque 38(t), de que resultou o blindado «Hetzer».

Embora eficiente contra os tanques russos, por causa do potente armamento que levava instalado, o principal problema dos caça-tanques residia no facto de para disparar, todo o veículo ter que ser apontado para o alvo.

Conceito eminentemente defensivo

Os vários tipo de «Panzerjagger» ou caça-tanques têm um armamento principal mais poderoso que os tanques convencionais de chassis equivalente, mas ao contrário do que o nome «caça tanques» pode indicar, ele não se destinava a procurar tanques inimigos para os destruir.
Na verdade o «caça tanques», é uma arma eminentemente defensiva, com função anti-tanque.

A doutrina que preside à utilização desta arma implica que o caça-tanques deveria aguardar a aproximação do inimigo para o destruir desde uma posição oculta e segura, aproveitando ao mesmo tempo a vantagem táctica dada por um canhão de maior alcance.

Os caça-tanques deveriam posicionar-se em grupos, ocultos nos flancos de uma área por onde se esperasse o avanço dos blindados inimigos, estabelecendo um corredor defensivo.
Eles poderiam ser utilizados em conjunção com os tanques, como apoio para o avanço. De posições fixas, eles aproveitariam a vantagem do calibre, para destruir alvos inimigos, apoiando o avanço dos tanques. Depois de tomada uma posição, os caça tanques voltariam a avançar para novas posições fixas de onde repeteriam a operação.

Caso os tanques tivessem que retirar, a área de retirada seria sempre por um caminho pré definido, onde os caça-tanques estivessem em posição, nos flancos, para atacar o inimigo que viria em perseguição dos tanques.

Grandes quantidades de tanques Sherman, T-34, KV-1 e IS-2 foram destruídos por armas deste tipo, especialmente na fase final da II guerra mundial, conflito durante o qual, as industrias norte-americana e soviética, demonstraram no entanto capacidade para fabricar carros de combate a um ritmo mais elevado que aquele a que eles eram destruídos pelos alemães.