Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Caça-tanques



Veículos idênticos ou relacionados:


SturmPanzer 43 «Brummbar»
Canhão de assalto

Hummel
Artilharia Auto propulsada

SturmGeschutz IV F (Pz.IV)
Canhão de assalto

Nashorn
Caça-tanques

PanzerJager IV L/70(V) «Pz.IV»
Caça-tanques

 

PanzerJager IV L/70(V) «Pz.IV»
Caça-tanques (VOMAG)
PanzerJager IV L/70(V) «Pz.IV»

Projeto: VOMAG
III Reich / Alemanha
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
5.9
8.58m
2.93m
1.96M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
24t
25.8t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Maybach HL 120TRM 12V
265cv
35 Km/h
15 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
N/disponível
214Km
4
30º
40º
0.8M
2.3M
0.6M

Armamento básico
- 1 x 75mm KwK Mod.42 L/70 (Calibre: 75mm - Alcance estimado de 2Km a 2Km)
- 1 x 7.92mm MG-34 L/57 «Dreyse» (Calibre: 7.92mm - Alcance estimado de 1.2Km a 1.2Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: III Reich / Alemanha
Designação Local:SdKfz 162/1
Qtd: Máx:1987 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
O veículo foi considerado tão importante que a fábrica VOMAG recebeu ordens para deixar de construir o tanque PzKpfw-IV Ausf.J para concentrar os seus esforços no fabrico do caça tanques Panzerjager-IV.

Os primeiros foram entregues ao exército alemão em Março de 1944 e o exército alemão considerava estes veículos tão importantes quanto os tanques.

Sendo uma arma eminentemente defensiva, os Panzerjager eram utilizados em áreas onde se esperava que os ataques soviéticos ou aliados ocorressem, actuando a partir de posições dissimuladas.
O sucesso dos veículos caça-tanques alemães foi enorme e por cada unidade construida em média havia três carros de combate soviéticos ou dos aliados ocidentais perdidos.

No entanto, quando estes meios entraram ao serviço, era já demasiado tarde para mudar o curso da guerra, pois a capacidade industrial soviética e especialmente norte-americana conseguia produzir viaturas blindadas a um ritmo muito mais elevado que aquele a que os alemães as podiam destruir.


Forum de discussão

Em meados de 1944, o sucesso e a vantagem proporcional em termos de produção, levaram a que se aplicasse ao canhão de assalto baseado no tanque Panzer-IV um canhão mais poderoso e longo.
O Panzerjager IV, na sua última versão (conhecido como L/70) era um veículo que beneficiava de um perfil relativamente baixo (menos de dois metros) e de um poderoso canhão anti-tanque que podia destruir qualquer tipo de tanque russo.

Ao contrário dos outros veículos caça-tanques alemães, o Panzerjager IV, embora utilizando como base o tanque Panzer-IV foi alvo de um redesenho completo e pode-se considerar o primeiro caça-tanques propositadamente construido para essa função.
O Panzerjager-IV L/70 estava equipado com o mesmo canhão de 70 calibres que armava o tanque «Panther».

A necessidade destes carros era tanta que além da produção encomendada à VOMAG, também a empresa Nibelungenwerke, recebeu encomendas.

A versão inicial do Jagdpanzer-IV durou de Janeiro a Novembro de 1944, com 784 unidades produzidas

A partir de Julho, outras fábricas foram chamadas a produzir este blindado, várias soluções de emergência foram adoptadas. Por isso parte dos Panzerjager-IV são conhecidos como Panzerjager-IV L/70(A) e L/70(V), e que eram basicamente cascos do tanque PzKpfw-IV sem a torre, e com o canhão de 75mm L/70 colocado em cima. Foram construidas 278 unidades deste modelo na fabrica austriaca Nibelungenvwerfe.

A partir de Agosto de 1944, Hitler ordenou que se terminasse o fabrico do tanque PzKpfw-IV-Ausf.J, para que em sua substituição se fabricassem caça tanques.
O general Guderian no entanto era contrário ao fim de produção da versão «tanque» do Panzer-IV, porque pura e simplesmente não havia tanques em numeros suficientes.

O numero de carros Jagdpanzer produzidos foi o seguinte:

Panzerjager-IV L/48 - 769
Panzerjager-IV L/70(V) - 940
Panzerjager-IV L/70(A) - 278




Na foto acima, o Panzerjager IV L/70(A) fabricado pela Alkett, uma fábrica que tinha deixado de produzir o Panzer-III. Este modelo, do qual foram produzidas 278 unidades resultou do aproveitamento de chassis já construidos e que deveriam ser utilizados para tanques Panzer-IV «J».
A superestrutura do «Panzerjager» não podia ser utilizada nos chassis propositadamente feitos para um tanque e por isso foi necessária esta solução de recurso, de que resultou um veículo mais alto, embora as suas qualidades fossem, idênticas às do modelo standard do Panzerjager IV L/70(V).

Informação genérica:
O carro de combate conhecido como Panzer IV ( ver a ficha para estes modelos), foi o mais numeroso dos carros de combate utilizados pela Alemanha durante a II Guerra Mundial.
Por se tratar de uma viatura importante e produzida em grande quantidade, o seu chassis também foi utilizado como plataforma para viaturas blindadas com características diferentes do carro de combate convencional.

Entre as principais derivações do PzKpfw VI, também designado por Panzer 4 (ou tanque 4) está aquela que se destinou a converter o carro de combate num canhão de assalto.

O canhão de assalto era bastante mais económico que o tanque convencional e foi concebido mais para arma de artilharia que como arma anti-tanque.

A sua peça de 75mm destinava-se a apoiar o avanço da infantaria e a atacar pontos bem defendidos. A sua arma principal não disparava uma munição perfurante mas sim uma munição explosiva destinada a atingir fortificações provisórias e soldados.

O primeiro canhão de assalto derivado do Panzer-4 foi o SturmGeschutz-IV armado com uma peça de 75mm e 48 calibres.
Com o evoluir do conflito, e em parte como medida de emergência, o canhão de 75mm foi aproveitado para atacar tanques soviéticos, embora essa não fosse a sua função principal.

Embora muitos militares alemães não gostassem do conceito, o seu menor custo levou a que o próprio Hitler tenha pressionado para que se desenvolvesse mais o conceito.

O primeiro caça-tanques baseado no Panzer-IV foi o «Nashorn», que foi uma adaptação de emergência, armado com uma poderosa peça de 88mm. No entanto, porque era uma adaptação de emergência ele não foi um sucesso e rapidamente se tornou claro que seria necessária uma solução de raiz, construída propositadamente para caça-tanques com um perfil baixo.

A partir do Sturmgeschutz-IV foi então desenvolvido um veículo propositadamente concebido para caça tanques, com uma arma com o mesmo calibre mas com um cano mais longo e mais eficiente contra carros de combate.
Tratou-se do «Panzerjager-IV», que foi produzido em três sub-séries distintas.


Artilharia auto propulsada
O chassis do Panzer 4 foi igualmente utilizado como base para um sistema de artilharia auto propulsado, que focou conhecido como «Hummel», o qual transportava uma peça de artilharia convencional, instalada no chassis.

Canhão de assalto pesado

No inicio de 1942 a Alkett recebeu uma encomenda para desenvolver um verdadeiro canhão de assalto «Sturmgeschutz» com peça principal de 150mm que poderia ser utilizado para tiro direto.
O veículo foi apresentado e entrou em produção ainda a tempo de participar na batalha de Kursk no verão de 1943.

Panzerjagger
O veículo alemão do tipo caça-tanques, é uma evolução dos veículos do tipo «canhão de assalto».

Ao contrário dos tanques tradicionais típicos da arma blindada, (com uma torre e um canhão que dispara projecteis a alta velocidade destinados a perfurar a blindagem), os veículos blindados equipados com um canhão no casco (com quase nenhuma capacidade de deriva) eram vistos como inadequados pelos especialistas em blindados.

O general Guderian (ao lado), o maior especialista alemão em blindados, não gostou da ideia co «canhão de assalto», mas os custos do equipamento (mais reduzidos que os de um tanque) e a predilecção de Hitler pelo conceito condicionaram, a evolução deste tipo de armamento.

Muito por influência de Hitler, mas também como resultado da necessidade de peças anti-carro móveis na frente leste, o canhão de assalto vai ser modificado, recebendo armamento adequado para ataque contra tanques em substituição da peça de artilharia adequada para atacar infantaria. Nascerá assim o caçador de tanques ou Panzerjagger.

O facto de esse tipo de solução ser muito mais económica que o tanque convencional também levou a que cada vez maiores quantidades destes veículos fossem construídas.
O Chassis utilizado para este tipo de veículo, foi inicialmenteo o chassis do Pz.IV, e posteriormente também o tanque «Panther», foi adaptado para a aplicação deste conceito, no que resultou no mais eficiente caça-tanques da guerra.

O canhão sem deriva foi igualmente aplicado em chassis pesados, como os do tanque «Tiger-I» e «Tiger-II» e em chassis mais leves como o do tanque 38(t), de que resultou o blindado «Hetzer».

Embora eficiente contra os tanques russos, por causa do potente armamento que levava instalado, o principal problema dos caça-tanques residia no facto de para disparar, todo o veículo ter que ser apontado para o alvo.

Conceito eminentemente defensivo

Os vários tipo de «Panzerjagger» ou caça-tanques têm um armamento principal mais poderoso que os tanques convencionais de chassis equivalente, mas ao contrário do que o nome «caça tanques» pode indicar, ele não se destinava a procurar tanques inimigos para os destruir.
Na verdade o «caça tanques», é uma arma eminentemente defensiva, com função anti-tanque.

A doutrina que preside à utilização desta arma implica que o caça-tanques deveria aguardar a aproximação do inimigo para o destruir desde uma posição oculta e segura, aproveitando ao mesmo tempo a vantagem táctica dada por um canhão de maior alcance.

Os caça-tanques deveriam posicionar-se em grupos, ocultos nos flancos de uma área por onde se esperasse o avanço dos blindados inimigos, estabelecendo um corredor defensivo.
Eles poderiam ser utilizados em conjunção com os tanques, como apoio para o avanço. De posições fixas, eles aproveitariam a vantagem do calibre, para destruir alvos inimigos, apoiando o avanço dos tanques. Depois de tomada uma posição, os caça tanques voltariam a avançar para novas posições fixas de onde repeteriam a operação.

Caso os tanques tivessem que retirar, a área de retirada seria sempre por um caminho pré definido, onde os caça-tanques estivessem em posição, nos flancos, para atacar o inimigo que viria em perseguição dos tanques.

Grandes quantidades de tanques Sherman, T-34, KV-1 e IS-2 foram destruídos por armas deste tipo, especialmente na fase final da II guerra mundial, conflito durante o qual, as industrias norte-americana e soviética, demonstraram no entanto capacidade para fabricar carros de combate a um ritmo mais elevado que aquele a que eles eram destruídos pelos alemães.