Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Carro de combate médio



Veículos idênticos ou relacionados:


M47 «Patton»
Carro de combate médio

M48-A2 «Patton»
Carro de combate médio

M48-A5 «Patton»
Carro de combate médio

Magach-4
Carro de combate médio

 

Acontecimentos relacionados
Revolução dos «Cravos»
Invasão de Chipre «Operação Áttila»

M47 «Patton»
Carro de combate médio (Detroit Tank Factory)
M47 «Patton»

Projeto: Detroit Tank Factory
Estados Unidos da América
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
6.307
8.508m
3.016m
3.352M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
42.13t
46.17t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
Continental AV1790-5B V-12
810cv
48 Km/h
30 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Lagartas
875 Litros
130Km
5
60º
40º
1.219M
2.59M
0.914M

Armamento básico
- 1 x 90mm M3A1 L/53 (Calibre: 90mm - Alcance estimado de 0.6Km a 2Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Portugal
Designação Local:cc 44T M-47 m/952
Qtd: Máx:90 - Qtd. em serviço:0
Situação: Retirado
Operacionalidade:
M-47
Carros de combate M-47 do Regimento de Cavalaria Nº 7 nas ruas de Lisboa em 25 de Abril de 1974
Portugal foi o primeiro país europeu a receber os carros de combate M-47, que chegaram ao país em 1952, antes que países como a Alemanha ou a Itália os tivessem recebido. Eles continuaram ao serviço como os únicos veículos blindados pesados do exército português até que começaram a ser retirados em 1978. Os últimos só foram retirados de serviço em meados dos anos 80.

Os carros de combate M-47 participaram na revolução de 25 de Abril de 1974 em Portugal, estavam sob as ordens do comandante do Regimento de Cavalaria 7 (unidades destacadas temporariamente que na realidade pertenciam ao RC-4).

Estes carros de combate estiveram distribuidos ao RC-4 e à Escola Prática de Cavalaria.
Ao contrário dos M-47 de outros países que duraram até aos anos 80, os M-47 portugueses nunca foram modernizados.


Forum de discussão

O carro de combate M-47 foi desenvolvido no inicio dos anos 50, a partir de um dos vários desenvolvimentos do tanque M-26, a que se juntou a torre do tanque T-42 que estava em desenvolvimento.O seu desenvolvimento apressado tinha como objectivo envia-lo para a guerra na Coreia, mas o veículo não chegou a entrar ao serviço naquele teatro de operações. Foram produzidos 8676 M-47 para os exércitos das forças aliadas.

Ele esteve pouco tempo ao serviço nos Estados Unidos, porque começou a ser substituido rapidamente pelo M-48. A maior parte dos M-47 foi assim imediatamente entregue a países aliados nos anos 50.

vários países produziram modificações e adaptações com vista a permitir extender a vida útil destes carros de combate, mas na sua maioria os tanques que entraram ao serviço na Europa também foram rapidamente colocados fora de serviço, porque o M-47 era considerado inferior ao seu contemporâneo T-55 soviético.

Uma das criticas dirigidas a este veículo foi o seu complexo sistema de controlo de fogo, baseado num telemetro esteroscópico complicado de utilizar..

O casco e a torre do M-47 são moldados. O motorista senta-se à frente à esquerda com o motor e a transmissão na traseira.

Informação genérica:
Quando terminou a II Guerra Mundial, o mais poderoso carro de combate norte-americano era o M26 «Pershing», cujo desenvolvimento tinha começado em 1942. No entanto as análises feitas pelos norte-americanos ainda antes do final da guerra levaram a concluir que o Pershing, cuja blindagem máxima atingia os 102mm não poderia garantir o absoluto domínio do campo de batalha. Os britânicos tinham já na altura em desenvolvimento, carros de combate como o Centurion, com uma blindagem superior que atingia em alguns pontos os 152mm. Mas os cortes nos investimentos de defesa que se seguiram ao fim da guerra limitaram o desenvolvimento, tendo-se optado por melhorar o tanque médio M26, que resultaria no modelo M46, um «Pershing» com um novo motor.

No entanto, embora sem grande prioridade, durante a segunda metade dos anos 50, prosseguiram os estudos para um novo tanque com dimensões ligeiramente maiores, embora baseado no M26.
Esse projecto era conhecido como T42 e tinha uma blindagem máxima que atingia os 115mm. O desenvolvimento do T42 destinava-se a permitir às forças norte-americanas possuir um carro de combate que pudesse equivaler-se ou superar os seus congéneres soviéticos, possuindo uma torre com melhor perfil balístico.

M47 Patton
Quando em 1950 começou a guerra na Coreia, o carro de combate que deveria substituir o Pershing não estava pronto.
Por isso foi decidido iniciar um programa de emergência, que consistia em colocar a torre do M26 «Pershing» no novo veículo. A viatura foi rapidamente desenvolvida e viria a ser conhecida como M47 «Patton», em homenagem ao general de blindados Patton, que tinha morrido após o final da guerra.

O M47 no entanto, não ficou pronto a tempo de entrar em acção na guerra da Coreia. Quando começou a ser entregue, ele era evidentemente inferior ao projecto T42, do qual era afinal um derivado de emergência.

Por esta razão, o M47 foi rapidamente cedido a países aliados logo que o verdadeiro tanque do projecto T42 começasse a ser entregue.

M48 Patton

O projecto de tanque médio norte-americano conhecido como T42, que tinha sido utilizado como base para a solução de emergência que resultou no M47 continuou a ser desenvolvido paralelamente e em Dezembro de 1950 foi assinado um contrato com a Chrysler para completar o veículo. O primeiro deles foi apresentado em Dezembro de 1951. A produção começou em 1952 e a viatura foi designada como M48 «Patton»

O nome «Patton» é o mesmo do M47, porque este último foi afinal uma solução de emergência que utilizava componentes do mais antigo M26, para permitir o seu rápido desenvolvimento.

Conforme inicialmente previsto, tal como o M26 e o M47, o M48 estava armado com um canhão de 90mm, mas tratava-se de uma nova versão, que se distingue pelo freio de boca.

Distinguem-se as seguintes versões:

M48 : Versão original derivada do projecto T48

M48-A1 : Idêntico ao M48 original, mas com modificações ao nível da cúpula, com uma metralhadora 12,7mm numa torreta e uma escotilha para o condutor de maiores dimensões.

M48-A2 : Este modelo, tentou corrigir o principal defeito dos modelos anteriores, que era a reduzida autonomia. A tentativa de reduzir peso levou a que se reduzissem até os roletes de retorno da esteira, que permitem identificar esta versão.Além desta, foram introduzidas modificações no sistema de transmissão e de injecçao de combustível e no novo motor.

M48-A3 : Versão inicialmente destinada a equiparar o M48 ao M60 com novo motor e sistemas ópticos e de comunicações idênticos. Foi no entanto introduzida sem a peça de 105mm inicalmente prevista. A principal causa sforam razões logísticas, como a enorme quantidade de munições que ainda havia disponíveis.

M48-A4 : Esta versão ficou pelo protótipo e destinava-se a aproveitar as torres que seriam retiradas dos M60, para as substituir pela nova torre armada com uma peça de 152mm capaz de disparar o míssil Shilelag. O atraso nesse programa acabou por levar ao cancelamento do projecto.

M48-A5 - A versão mais moderna do M48, equipada com peça principal de 105mm.
Esta versão foi lançada em 1975

Essencialmente tem as mesmas características do M-60A1, embora mantenha a mesma torre, sendo no entanto equipado com a peça principal de 105mm do M-60.

Muitos dos M-48A5 são M-48A2 modernizados, com a substituição do canhão de 90mm pelo de 105mm.

O M-48 continuou a ser fornecido a vários países e várias modificações desse carro de combate, levaram-no praticamente ao nível dos M-60, quando lhes foi adaptado um canhão de 105mm, tendo mesmo em alguns países sido modernizado com telemetro laser, e capacidade para combate nocturno. Foi por exemplo o caso dos M-48 ao serviço na Coreia do Sul.