Navios deste tipo:

Carraca
Navios da renascença
Nau portuguesa
Navios da renascença
Nau turca
Navios da renascença
Madre de Deus
Navios da renascença

Listar navios do tipo
Navios da renascença

Acontecimentos relacionados
Batalha de Diu



Império Otomano
Navios da renascença classe
Nau turca
(tipo Nau / Carraca)
Nau / Carraca

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 300 Ton
Deslocamento máx. : 1000 Ton.
Tipo de propulsão: Aparelho vélico
Comprimento: 0 M - Largura: 0M
Calado: 0 M.
Tripulação / Guarnição: 400 Autonomia: 4000Km a 4 nós - Nr. Eixos: 0 - Velocidade Máxima: 6 nós


Forum de discussão

Embora o poder naval do império otomano se tenha acima de tudo baseado nas galeras a remos de diversos tipos (ver Kadirga), o império Otomano também construiu navios de alto bordo, embora este tipo de navios tenha tido relativamente pouca importância para o poder Otomano.

É no entanto conhecido que foram construidas embora em pequena série navios otomanos que navegaram no Oceano Índico.

Embora o turcos tenham versões mais ou menos romanceadas sobre os seus feitos navais no Índico, e principalmente por terem conseguido impedir que os portugueses conseguissem fechar o mar vermelho, a verdade é que esses sucessos se deveram mais ao desinteresse dos portugueses que à qualidade dos navios turcos, dado que o navio mais eficiente no Mar Vermelho era a Galera, por causa dos problemas com os ventos, que dificultavam a entrada nesse mar.

Ilustração turca, que mostra a vitória sobre os portugueses aquando da tentativa de tomar Aden, na tentativa de controlar a entrada do Mar Vermelho no início do século XVI
Constitui no entanto facto histórico, que os Turcos ou os seus aliados mamelucos construiram grandes navios de alto bordo, muito bem armados, os quais interviram no Oceano Índico, a pedido de alguns dos reinos da Índia, quando estes foram atacados pelos portugueses.

Sabemos por exemplo, que na batalha de Chaul, da esquadra dos aliados turcos egipcios e indianos que se formara contra os portugueses faziam parte navios de alto bordo, os quais eram segundo os relatos da batalha mais altos que os navios portugueses de alto bordo, pelo que inevitavelmente isto permite chegar à conclusão de que se tratava de um navio do tipo Nau ou Carraca.

As relações, nem sempre amistosas mantidas pelos turcos com as cidades do Mediterrâneo, poderão estar na origem da transmissão do conhecimento sobre a construção destes navios aos turcos. Alegadamente os galeões e navios de alto bordo do Império Otomano, serão o resultado de cópias de planos obtidos da cidade mais avançada na construção destes navios no Mediterrâneo, que era a cidade de Ragusa no Mar Adriático.

O conservadorismo turco, levou mesmo a que fossem construidos navios de alto bordo a remos, no que constituiu um equivalente turco da Galeaça de Veneza, o qual não era no entanto mais que um pesado Galeão que se podia mover com remos.
Esse tipo de navio foi aliás julgado pouco eficiente, pelo que na batalha que ocorreu já no século XVIII no cabo Matapan, em que estiveram envolvidos navios turcos e portugueses as duas esquadras praticamente não se movessem por falta de vento.


Informação genérica:
A Carraca e a Nau , são muitas vezes confundidas pelas suas funções idênticas como navios de transporte, embora se trate de navios diferentes pela sua configuração e características.

Como noutros casos, não existe unanimidade nem sequer um consenso minimo quando se trata de designar os navios, mas de qualquer forma, a Carraca aparece em principio como um grande navio de transporte europeu, tanto utilizado no norte da Europa como no Mediterrâneo.

A Nau teve funções idênticas, mas foi essencialmente utilizada pelos portugueses, considerando-se normalmente que a Nau, tinha menor necessidade de tripulação e era mais adequada para viagens mais longas. Tinha um calado maior, tornando o navio mais estável e velas quadradas, tal como a Carraca, embora utilizasse velas latinas de compensação.

Foram igualmente utilizadas Naus no Mediterrâneo, quer por Veneza quer também pelos turcos otomanos, que terão utilizado a experiência naval de várias cidades da costa do Adriático para construir os seus navios de alto bordo.


   
---