Navios deste tipo:

Sheffield
Contra torpedeiro
Hercules
Contra torpedeiro
Sheffield b-III
Contra torpedeiro

Listar navios do tipo
Contra torpedeiro

Acontecimentos relacionados
Invasão argentina das Malvinas



Argentina
Contra torpedeiro classe
Hercules
(tipo Type 42)
Type 42

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 3150 Ton
Deslocamento máx. : 4100 Ton.
Tipo de propulsão: COGOG (Combinada Gás ou Gás)
Comprimento: 125.6 M - Largura: 14.3M
Calado: 5.8 M.
2 x Turbina a Gás Rolls Royce Tyne RM1A (6000cv/hp)
2 x Turbina a Gás Rolls Royce Olympus TM3B (50000cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 270 Autonomia: 7200Km a 18 nós - Nr. Eixos: 2 - Velocidade Máxima: 30 nós

Canhões / armamento principal
1 x Vickers Defence 114mm Vickers Mk 8 mod.0 (Calibre: 114mm/Alcance: 22Km)

Misseis
Sistema de lançamento GWS-30 launcherSea Dart Mod.02 x BAE Systems - Naval ships Sea Dart Mod.0 (Defesa Anti-Aérea)
Sistema de lançamento MM38LEXOCET MM-384 x MBDA EXOCET MM-38 (Anti-navio)


Forum de discussão

A Argentina contratou com o Reino Unido a construção de dois contra-torpedeiros do tipo 42 em Maio de 1970, apenas quatro meses depois de o primeiro navio da classe, o HMS Sheffield (que seria afundado por aviões argentinos) ter sido começado.

O primeiro dos navios foi construido na Grã Bretanha, enquanto que o segundo navio foi construido nos estaleiros estatais argentinos «AFNE» em Rio Santiago. A construção do navio foi complicada por se tratar de um navio com uma grande sofisticação, e por em 1975 o estaleiro ter sofrido um atentado à bomba.

O segundo navio ficou pronto em 1981, apenas alguns meses antes de a Argentina ter invadido as ilhas Malvinas, levando a um conflito com a Grã Bretanha, país onde os navios tinham sido concebidos.
Os navios argentinos eram basicamente idênticos aos britânicos, com a diferença de os argentinos terem optado por instalar lançadores de mísseis anti-navio Exocet.
Em vez de helicopteros Lynx, a Argentina opera helicópteros Alouette-III.

O Santissima Trinidad foi o navio almirante da esquadra argentina, enviada para tomar as Malvinas em 1982.
Ele passou posteriormente a servir de escolta para um grupo de fragatas que faziam patrulha anti-submarina.

Depois do conflito, a Argentina teve sérios problemas para manter os navios operacionais. O corte de relações com a Grã Bretanha, levou a que a Argentina ficasse impossibilitada de utilizar os navios.

Embora tenham continuado na frota eles não foram utilizados, até 1988.
Por essa altura a Argentina tinha colocado os navios à venda no mercado internacional, por 250 milhões de dolares cada um, tendo segundo várias fontes terá tentado vender os navios à Turquia.

A opção argentina, acabou por ser a de canibalizar um dos navios para permitir continuar a utilizar o outro, pelo que o Santisima Trinidad foi retirado de serviço e as suas peças foram utilizadas como peças de reposição para o Hercules, que viu removidos os mísseis anti-aéreos e os mísseis anti-navio e foi submetido a uma remodelação que o transformou num navio rápido de transporte de tropas

Beneficiando do facto de dispor de instalações para um numero adicional de de militares, e também do seu tamanho, o Hercules passou a ter capacidade para transportar dois helicópteros do tipo Seaking, e um grupo de infantaria constituido por 238 homens.
Tal modificação foi possível mercê da redução da guarnição do navio, que opera agora apenas o canhão principal e mais dois pequenos canhões de 20mm. A área onde se encontravam os mísseis Sea-Dart, foi convertida em área de acomodações para fuzileiros e os mísseis Exocet cederam lugar à embarcações de borracha para desembarque de forças especiais.


Informação genérica:
Os navios do tipo 42, fazem parte de uma classe de navios britânicos que é constituida por três lotes «batch» diferentes.

Eles foram inicialmente desenhados para substituir a prevista aquisição de grandes contra-torpedeiros do tipo 82, com um deslocamento superior a 6.000 toneladas que deveriam operar junto com porta-aviões.

Como no final dos anos 60 a Grã Bretanha tinha decidido deixar de operar grandes porta-aviões, tornou-se necessário um navio mais pequeno que servisse a função de defesa de área.

Essa capacidade de defesa baseava-se na instalação dos lançadores duplos GWS-30 para o lançamento de mísseis Sea-Dart.


Existiu um quarto lote, constituido pelos dois navios argentinos deste tipo, vendidos para aquele país sul americano nos anos 70.


   
---