Navios deste tipo:

Colossus
Porta aviões ligeiro
Arromanches
Porta aviões ligeiro
Minas Gerais
Porta aviões ligeiro
Vikrant
Porta aviões ligeiro
Veinticinco de Mayo
Porta aviões ligeiro

Listar navios do tipo
Porta aviões ligeiro


India
Porta aviões ligeiro classe
Vikrant
(tipo Colossus)
Colossus

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 16000 Ton
Deslocamento máx. : 19500 Ton.
Tipo de propulsão: Turbina a vapor
Comprimento: 213 M - Largura: 39M
Calado: 7.9 M.
4 x Caldeiras (oleo) Admiralty (0)
2 x Turbinas acopladas Parsons (40000cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 1075 Autonomia: 22000Km a 14 nós - Nr. Eixos: 2 - Velocidade Máxima: 24.5 nós

Canhões / armamento principal
6 x Bofors / BAE Systems 40mm /L70 Mod.1958 (1 x) (Calibre: 40mm/Alcance: 12Km)

Radares
- Thales Nederland DA-05 (Pesquisa aérea - Al.med: 134Km)
- Thales Nederland LW-08 (Pesquisa aérea - Al.med: 162Km)

Aeronaves embarcadas
- 9 x Sikorsky / United Technologies SH-3B Seaking
- 6 x Hawker Sea Harrier FRS.1


Forum de discussão

O porta-aviões Vikrant da marinha da Índia é o antigo porta-aviões Hercules da classe Collossus que esteve ao serviço na Royal Navy. A compra do navio foi negociada em 1957 e ele entrou ao serviço em 1961.

Ficou famosa a expressão utilizada pelo ministro da defesa soviético Malinovsky, que afirmou em 1963 que o porta-aviões indiano era com a quinta pata de um cão, inutil e pouco mais que um alvo potêncial.

O navio foi declarado operacional apenas em 3 de Novembro de 1961. Cerca de seis semanas depois ele participou nas operações navais que levaram à invasão e posterior ocupação do Estado de Goa por parte da União Indiana, em que uma enorme força naval, destruiu uma pequena canhoneira portuguesa.
Baseado na cidade de Bombaim, ele foi escoltado por vários contra-torpedeiros durante aquela operação., mas os seus aviões não chegaram a ser utilizados.

Em 1966, a Índia adquiriu aeronaves Seahawk em segunda mão, mas o estado das aeronaves adquiridas, não aumentou em muito as capacidades do navio. Desde essa altura que a Índia considerou a possibilidade de utiilzar aeronaves de descolagem vertical, que no entanto estavam apenas em fase de desenvolvimento.

Durante a guerra de 1970 com o Paquistão e o Bangladesh, o navio, que estava em reparação e era capaz de atingir apenas 12 nós, foi enviado para a costa oriental da India, onde a actividade da marinha paquistanesa era menor. Foi parcialmente reparado tendo conseguido atingir 18 nós e os seus aviões receberam ordens para atacar alvos no Paquistão Oriental (Bangladesh).
A sua presença no mar, ajudou a garantir que as forças paquistanesas no Paquistão Oriental ficavam isoladas do resto do país.

A partir de 1980 foram utilizados helicópteros Kamov Ka-25, que posteriormente foram retirados de serviço.

O Vikrant foi desde o inicio visto como um meio para a luta anti-submarina, e não como base para defesa de uma esquadra, função para a qual o navio não estava minimamente preparado. Nem os Seahawk nem mais tarde os Harrier tinham capacidades para tal.
No entanto, o resultado do conflito nas Malvinas levaram a que fosse encarada a possibilidade de utilizar o Vikrant para outras funções.

Remodelação 1987-1989
O Viktrant, seguiu o mesmo caminho dos porta-aviões britânicos, com a remoção das catapultas e a colocação de uma rampa ski-jump para permitir a operação de aeronaves do tipo Harrier. A remoção das catapultas, tornou impossível a utilização dos aviões Alizé de pesquisa marítima, pelo que em parte essa operação ficou a cardo de helicópteros.

O Vikrant ainda foi submetido a uma segunda modernização de sistemas, mas acabou sendo retirado em 1997.


Informação genérica:
A classe de porta-aviões «Colossus» tem origem no plano de construções navais de tempo de guerra dos britânicos durante a II Guerra Mundial.
Foi a mais numerosa familia de porta-aviões da Grã Bretanha e foram construidas trezes unidades.

Trata-se de uma classe constituida por duas séries. A primeira, que é conhecida como Colossus é ligeiramente diferente com algumas alterações relativamente ao layout interno, mas basicamente trata-se do mesmo navio.
A segunda série é conhecida como Majestic.

São navios construidos com enfase no número e não nas características técnicas. Por isso a sua velocidade ficou limitada a menos de 25 nós, não existe praticamente proteção ou blindagem e o armamento defensivo foi reduzido ao mínimo.

Os navios da classe foram os seguintes:

Colossus

HMS Colossus [6]
HMS Glory
HMS Ocean
HMS Venerable [1]
HMS Vengeance [2]
HMS Theseus
HMS Triumph
HMCS Warrior [4]
HMS Perseus [5]
HMS Pioneer [5]

Majestic

HMS Hercules [3]
HMS Leviathan
HMCS Magnificent (HMCS)
HMS Majestic
HMS Powerfull
HMS Terrible


[1] - Transferido para a Holanda e posteriormente para a Argentina (Veinticinco de Mayo)
[2] - Emprestado à Austrália e transferido para o Brasil como Minas Gerais
[3] - Transferido para a Índia como Vikrant.
[4] - Transferido para a Argentina como Independencia.
[5] - Completados como navios de manutenção de aeronaves.
[6] - Transferido para a França como Arromanches


   
---