Navios deste tipo:

Krivak-I
Fragata
Nerey «Krivak-III»
Fragata
Hetman Sagaidachny «Krivak-III»
Fragata
Neustrashimy
Fragata

Listar navios do tipo
Fragata


Ucrania
Fragata classe
Hetman Sagaidachny «Krivak-III»
(tipo Krivak)
Krivak

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 3100 Ton
Deslocamento máx. : 3650 Ton.
Tipo de propulsão: COGAG - Turbina a gás e turbina a gás
Comprimento: 123.5 M - Largura: 14.3M
Calado: 5 M.
2 x Turbina a Gás (13600cv/hp)
2 x Turbina a Gás (55500cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 180 Autonomia: 8000Km a 20 nós - Nr. Eixos: 2 - Velocidade Máxima: 32 nós

Canhões / armamento principal
2 x Soviet State Factories RBU-6000 (Calibre: 213mm/Alcance: 4.3Km)
1 x Soviet State Factories 100mm L/70 «AK-100» (Calibre: 100mm/Alcance: 21Km)
2 x Vympel 30mm AK-630 (Calibre: 30mm/Alcance: 4Km)

Misseis
Sistema de lançamento N/D9M33 (SA-8 / SA-N-4)2 x Soviet State Factories 9M33 (SA-8 / SA-N-4) (Defesa Anti-Aérea)

Radares
- NIIP-Tikomirov MR710 Fregat «Top Plate» (Combinado Aerea/superficie - Al.med: 157Km)


Forum de discussão

A terceira série de fragatas do tipo Krivask, foi distribuida entre dois dos países da antiga União Soviética. A maioria dos navios foi entregue à Rússia mas dois deles ficaram nos estaleiros de Kerch, tendo a Ucrânia continuado os trabalhos de construção. O último acabou por ser cancelado por causa das dificuldades financeiras da Ucrânia, mas o Hetman Sagaidachny estava já bastante avançado e por isso foi terminado e entregue à marinha da Ucrânia.

O Hetman Sagaydachni é o mais poderoso navio da esquadra ucraniana e é o último navio da classe Krivak produzido. Ele é idêntico aos restantes Krivak-III e embora possa ser utilizado como navio anti-submarino, tem capacidade limitada de defesa anti-aérea e não está equipado com mísseis anti-navio.

O navio foi construido nos estaleiros ucranianos de Kerch, de onde também saíram os navios que foram entregues à esquadra russa.

A fragata Hetman Sagidachny tem representado a Ucrânia em operações da OTAN, embora o país não faça parte da aliança. Durante 2008 entre e Junho e Julho, a fragata fez parte de uma força da OTAN que operou no Mar Mediterrâneo (Operação Endeavour).

Em 2014, durante as operações russas de invasão da Crimeia, a gigantesca rede de desinformação desenvolvida pela imprensa ligada ao regime russo divulgou a notícia de que a fragata se tinha rebelado contra o governo ucrâniano e passado para o lado russo.

O navio nem sequer se encontrava no Mar Negro e dirigiu-se para Odessa com a bandeira da Ucrânia hasteada, desmentindo os rumores.

Embora seja o maior navio combatente da esquadra ucrâniana, que foi quase toda bloqueada pelas forças de ocupação russas na Crimeia, a fragata não é um navio especialmente sofisticado, já que foi construido essencialmente para operações de policiamento. Por esta razão não está equipada com mísseis anti-navio, possuindo para auto-defesa apenas mísseis anti-aéreos de curto-alcance.


Informação genérica:
A classe de fragatas Krivak (Storm Petrel na designação russa), tem origem na antiga União Soviética, e são resultado de um projecto de navio conhecido como «Projecto 1135». Eles foram o resultado da necessidade de construir navios que fossem mais económicos que os navios das classes Kresta-II e Kara, que foram lançados nos anos 60 e 70.
As fragatas Krivak, foram concebidas com o objectivo principal de servir como navios para guerra anti-submarina, numa altura em que entraram ao serviço os submarinos nucleares de ataque da classe «Los Angeles», que os almirantes da União Soviética, consideravam uma grande ameaça à esquadra soviética.

Sendo pensados essencialmente para funções de escolta anti-submarina, as fragatas Krivak, estavam relativamente desprotegidas contra ataques aéreos.
Além disso, não foi prevista a utilização de helicópteros, pelo que não era possível utilizar esses meios para detectar submarinos a distâncias maiores, numa altura em que os submarinos norte-americanos estavam já armados com torpedos capazes de atingir alvos a distâncias superiores a 50km.

Distinguem-se três tipos diferentes de fragatas Krivak.

Krivak-I : O modelo original e o mais produzido de todos. Normalmente considerados no ocidente como navios bastante bem desenhados, eles tinham no entanto pouca capacidade defensiva e a falta de um helicóptero não permitia efectuar acções de luta anti-submarina a maiores distâncias.

Krivak-II : As Krivak-II não diferem muito das Krivak-I e a sua principal diferença é a substituição das duas torres duplas de 76mm à popa, por duas torres simples, cada uma com um canhão de 100mm de duplo emprego.

Krivak-III : As fragatas desta série são facilmente identificáveis e distinguem-se das outras duas classes, por possuírem apenas uma torre com canhão de 100mm, colocado à proa. Na popa foram removidos os canhões e instalado um Hangar com pista de pouso para um helicóptero.
Navios deste tipo estão ao serviço na Rússia e na Ucrânia.

Foi construida uma derivação derivação das fragatas da classe Krivak-III conhecida como Classe Talwar. Esse tipo de navio foi especificamente modificado para utilização pela marinha da India. Trata-se de uma Krivak modificada, com a incorporação de novos armamentos, radares e um casco com características «Stealth». Outros navios partiram desse conceito e a própria marinha russa lançou uma classe de navios com as mesmas características. Esses navios, genéricamente referidos como Krivak IV são tratados separadamente.



Série Neustrashimy
Baseada na classe Krivak, embora muito modificada, Apenas dois navios foram lançados. O segundo foi incorporado em 2008.


   
---