Navios deste tipo:

Fuso
Couraçado «Super-Dreadnought»
Ise
Couraçado «Super-Dreadnought»
Ise (1943)
Couraçado «tipo Dreadnought»

Listar navios do tipo
Couraçado «tipo Dreadnought»


Japão
Couraçado «tipo Dreadnought» classe
Ise (1943)
(tipo Fuso / Ise)
Fuso / Ise

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 35350 Ton
Deslocamento máx. : 38676 Ton.
Tipo de propulsão: Turbina a vapor
Comprimento: 219.6 M - Largura: 33.83M
Calado: 9.03 M.
8 x Caldeiras (oleo) Kampon (0)
4 x Turbina a vapor Kampon (80000cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 1463 Autonomia: 18000Km a 16 nós - Nr. Eixos: 4 - Velocidade Máxima: 25 nós


Forum de discussão

Couraçado Porta-aviões Ise


Os couraçados da classe Ise, estão entre alguns dos navios mais estranhos que foram utilizados durante a II Guerra Mundial.

Com a falta de porta-aviões que se tinham tornado nos mais importantes meios navais no Pacífico, e especialmente depois da derrota japonesa na batalha de Midway o Japão precisou de encontrar soluções para conseguir construir navios que pudessem transportar aeronaves.

Uma das soluções encontradas foi a conversão dos dois couraçados da classe Ise, que embora tivessem sido modernizados durante os anos 30 não foram considerados satisfatórios.

Os trabalhos de modificação tiveram inicio em 1943 e os navios foram oficialmente entregues à marinha japonesa no final do ano, mas o treino de pilotos e de pessoal para operar navios que eram radicalmente diferentes, levou a que só próximo ao final de 1944 os dois navios fossem declarados operacionais.

A modificação principal consistiu na remoção das duas torres à ré reduzindo o número de canhões principais de 12 para apenas 8. No lugar das torres foi erguida uma estrutura de suporte para uma coberta de voo com duas catapultas em ângulo que se projectavam para os bordos do navio. Havia um elevador central que ligava a um hangar para 22 aeronaves.
Os planos previam 11 bombardeiros de voo picado e 11 hidroaviões que serviriam como bombardeiros.

Como a pista era insuficiente para as aeronaves pousarem, a utilização prevista das aeronaves implicava que os hidroaviões pousariam no mar e seriam recolhidos, enquanto que os bombardeiros de voo picado teriam que pousar noutro porta-aviões ou então voar para uma pista em terra.

Por ironia, ainda os navios estavam em fase de aparelhamento e treino, em Outubro de 1944, quando os japoneses decidiram remover as catapultas, porque elas impediam a utilização das duas torres centrais.

Além disso os navios nunca receberam as aeronaves que deveriam utilizar.

Os navios participaram na batalha do Golfo de Leyte, mas foram utilizados como couraçados. Eles acompanhavam quatro porta-aviões que acabaram sendo afundados, mas escaparam.

Os navios ficaram o resto da guerra em Kure, por não haver combustível e acabaram sendo atacados em Julho de 1945 por aeronaves norte-americanas, tendo afundado em águas rasas.
Informação genérica:
Os navios da classe Fuso deveriam inicialmente ser quatro, mas quando dois dos Fuso já tinham sido lançados, foi decidido fazer alterações ao projecto.

As alterações e modificações resultaram nos couraçados da classe Ise.

Tanto os dois Fuso como os dois Ise foram submetidos a modificações durante os anos 30, de forma a transforma-los em navios mais rápidos. No entanto, ao contrário do que aconteceu com a classe Kongo, que se transformaram em «couraçados rápidos» estes quatro navios nunca conseguiram atingir as mesmas velocidades.

Os quatro navios foram incluidos na Segunda Divisão de couraçados e foram relegados para missões secundárias e só a perda de outros navios mais poderosos levou a que fossem mais utilizados. Depois do desastre de Midway, a marinha do Japão decidiu converter os dois navios da classe Ise, de forma a transforma-los em hibridos de couraçado-porta aviões.

Os dois navios convertidos em hibrido, nunca chegaram no entanto a ser utilizados nessa função, por falta de aeronaves disponíveis.


   
---