Navios deste tipo:

Caio Duilio
Couraçado rápido
Conte di Cavour
Couraçado rápido
Novorossiysk
Couraçado rápido

Listar navios do tipo
Couraçado rápido

Acontecimentos relacionados
Ataque a Taranto



Italia
Couraçado rápido classe
Conte di Cavour
(tipo Cavour / Duilio)
Cavour / Duilio

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 26558 Ton
Deslocamento máx. : 29494 Ton.
Tipo de propulsão: Turbina a vapor
Comprimento: 186.4 M - Largura: 28M
Calado: 10.4 M.
8 x Caldeiras (oleo) Yarrow (0)
2 x Turbinas acopladas Belluzzo (93000cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 1236 Autonomia: 0Km a 0 nós - Nr. Eixos: 2 - Velocidade Máxima: 28 nós

Canhões / armamento principal
10 x Ansaldo 320mm L/44 M1933 (i) (Calibre: 320mm/Alcance: 29Km)


Forum de discussão

Os dois couraçados da classe Conte di Cavou r foram concluidos enmtre 1914 e 1915 e eram o equivalente italiano aos couraçados do tipo Dreadnought, com 13 canhões de 305mm em cinco torres uma das quais central.

Esses navios eram capazes de atingir uma velocidade máxima de quase 22 nós e foram mantidos em serviço pela Itália durante os anos 20. Como outras marinhas do mundo a Itália optou por modernizar os seus couraçados durante o periodo em que as novas construções foram proíbidas pelo Tratado de Washington, no entanto, ao contrário de outros países, a Itália não só por modernizar os seus navios, mas sim por praticamente os reconstruir.

Os dois navios foram completamente remodelados, toda a sua maquinaria foi substituida por turbinas mais potentes e caldeiras a óleo mais leves.
O número de eixos do navio também passou de quatro para dois. O peso também foi reduzido com a remoção da torre tripla central.

Ao reduzir o peso das máquinas foi possível aumentar a protecção dos navios, embora essa protecção nunca chegasse a ficar ao nível dos couraçados modernos que apareceram nos anos 30.

As modificações radicais nos navios fizeram com que no inicio dos anos 30 eles aparecessem como couraçados rápidos, que atingiam a velocidade máxima de 28 nós (mais 2 nós que o que tinha sido previsto no projecto).

Os canhões de 305mm foram «maquinados» e convertidos para o calibre 320mm e a elevação máxima dos canhões passou de 20 para 27 graus. Os novos canhões passaram de um alcance máximo de 18.000m para 28.600m.

Com esta nova configuração, os navios eram equivalentes aos novos couraçados Dunkerque lançados pela França e pela sua velocidade e alcance dos canhões eram superiores aos couraçados britânicos, embora os seus canhões de 320mm fossem de calibre inferior aos de 381mm dos couraçados britânicos do periodo da I Guerra Mundial.

Quando a Itália entrou na II Guerra Mundial em Maio de 1940, o Cavour e o Cesare eram os únicos couraçados italianos que estavam em serviço.
Logo em Julho desse ano, O Cesare defrontou os navios da esquadra britânica no Mediterrâneo e foi atingido por projecteis de 381mm do couraçado Warspite. A inferioridade do equipamento director de tiro italiano relativamente ao britânico foi notada e os navios dedicaram-se a efectuar ataques a navios mercantes britânicos.

Em Novembro de 1940, durante um ataque lançado a partir do porta-aviões Illustrious, foi afundado o Conte di Cavour, que embora tenha voltado a ser erguido para reparações, nunca voltou ao serviço.
O Cesare foi atingido a longa distância no porto de Nápoles no inicio de 1942. Ele serviu para atacar comboios britânicos, até que foi encostado em 1943.
O navio seria transferido para a União Soviética , onde recebeu o nome de Novorossisk como navio de treino. Foi ao serviço da marinha soviética que o navio se afundou no Mar Negro em 1955 depois do que foi noticiado como sendo uma colisão com minas. Mais tarde soube-se que o afundamento do navio resultou da explosão de 1200kg de TNT. O acidente resultou em tragédia, devido ao facto de o navio não ter sido socorrido senão muitas horas depois da explosão.


Nota:
A classe era constituida por três couraçados. O terceiro, o Leonardo da Vinci foi afundado no porto por sabotagem alegadamente austriaca durante a I Guerra Mundial.
Informação genérica:
Os navios couraçados italianos da classe Conte di Cavour e da classe Caio Duilio, lançados no inicio do século XX, antes do inicio da I Guerra Mundial, foram sujeitos ao mais radical programa de reconstrução de couraçados do periodo entre guerras. Apenas 40% da estrutura original foi mantida, tendo todo o resto sido substituido ou modificado.

As duas classes de navios, foram submetidas a modificações que os tornaram quase gémeos, ficando as diferenças limitadas às baterias de canhões secundários.

O armamento principal, constituido por canhoes de 305m reconvertidos para o calibre 320mm é igual nos quatro navios das duas classes, com dez canhões distribuidos por duas torres triplas e duas torres duplas.



Os navios da classe Caio Duilio / Julio Cesare: Na imagem podem-se se ver as diferenças antes da reconstrução e após a reconstrução


Acima, esquema demonstrativo da radical modificação a que foram submetidos os couraçados italianos entre as duas guerras


Ao serviço da União Soviética

Um dos navios sobreviventes, o Giulio Cesare, foi transferido para a União Soviética ao abrigo do acordo de armistício estabelecido com a Itália.
O navo foi entregue em 1949.


   
---