Navios deste tipo:

Principe de Asturias
Porta aviões ligeiro

Listar navios do tipo
Porta aviões ligeiro

Notícias relacionadas
Espanha: Porta-aviões ao fundo !



Espanha
Porta aviões ligeiro classe
Principe de Asturias
(tipo SCS)
SCS

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 14500 Ton
Deslocamento máx. : 17188 Ton.
Tipo de propulsão: Turbina a Gás
Comprimento: 195.9 M - Largura: 24.3M
Calado: 9.4 M.
2 x Motor a Diesel (1600cv/hp)
2 x Turbina a Gás General Electric LM-2500 (46400cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 758 Autonomia: 12000Km a 20 nós - Nr. Eixos: 1 - Velocidade Máxima: 25 nós

Canhões / armamento principal
4 x Ferrol Shipyard / Navantia 20mm SPG-M2B «Meroka» (Calibre: 20mm/Alcance: 2Km)

Radares
- Raytheon Systems AN/SPS-55 (Combinado Aerea/superficie - Al.med: 37Km)

Outros sistemas electrónicos
- EADS Mk 36 SRBOC (Contramedidas electronicas)

Aeronaves embarcadas
- 2 x Sikorsky / United Technologies SH-3D AEW
- 9 x McDonnel-Douglas/Boeing AV-8B / GR-9 «Harrier-II»


Forum de discussão

Derivado do projecto de Navio de Controlo Marítimo apresentado em 1970 pelo almirante norte-americano Zumwalt, o porta-aviões Principe de Asturias substituiu na marinha espanhola o porta-aviões Dedalo, um porta-aviões ligeiro da II Guerra Mundial.

Embora baseado no SCS, o navio sofreu várias modificações no projecto original, que aumentaram o numero de aerinaves que seriam operadas. Ao mesmo tempo, a mais distintiva modificação foi a inclusão de uma rampo Ski-jump, que permite facilitar a descolagem das aeronaves Sea Harrier que são operadas.

O navio foi lançado em 1980, mas a sua constução foi afectada durante vários anos, por razões políticas, relacionadas com a entrada da Espanha na NATO.

Só depois de o governo espanhol ter alterado a sua posição relativamente à aliança atlântica é que foi continuada a constuçao do navio.

Em 2012 foi anunciada a retirada de serviço do navio, devido a restrições resultado da complexa situação económica da Espanha.


Informação genérica:
O SCS ou «Sea Control Ship», foi um conceito desenvolvido nos Estados Unidos pelo então chefe de Operações Navais da Marinha dos Estados Unidos, almirante Elmo Zumwalt.
A ideia foi apresentada em 1970 e pretendia levar a uma mudança radical nas forças de superfície da marinha dos Estados Unidos.

O projecto, previa a redução do numero de grandes navios porta-aviões, dando lugar a um maior numero de unidades mais pequenas e mais baratas de manter. A ideia de Zumwalt era responder à cada vez maior ameaça representada pelos navios de superfície da marinha da União Soviética.

O conceito foi desenvolvido rapidamente, e sessenta dias após Zumwalt ter chegado ao cargo, foi apresentado no primeiro esboço do «Project 60». O SCS era um porta-aviões dedicado à luta anti-submarina projectado para operar um numero de até 14 aeronaves de descolagem vertical ou com capacidade para descolagem em pistas curtas do tipo Harrier.

A principal vantagem do SCS era o seu custo muito inferior ao de um grande porta-aviões de esquadra e pelo preço de um grande porta-aviões era possível construir oito do tipo SCS.

Os SCS assumiriam o lugar dos grandes porta-aviões em tempo de paz ou em áreas de conflito de baixa intensidade, e seriam substituidos pelos grande porta-aviões em tempo de guerra nas áreas mais difíceis. Reduzindo o numero de grandes porta-aviões norte-americanos de grandes dimensões (passando de 12 para apenas 8), a marinha dos Estados Unidos operaria uma frota de 8 grandes porta-aviões e de até 32 porta-aviões ligeiros.



Acima esboço do conceito de Navio de Controlo Marítimo de Zumwalt.

Controvérsias
O plano de Zumwalt e especialmente a sua ideia de porta-aviões de controlo marítimo foi muito criticado e rapidamente apareceram duas facções a defender duas teses completamente diferentes, atacando e atrasando o plano.

Quando Zumwalt se aposentou em 1974, os seus críticos voltaram à carga. Testes de avaliação do conceito foram feitos a bordo de um dos porta-helicópteros da marinha dos Estados Unidos, e permitiram chegar à conclusão de que a capacidade de combate dos pequenos porta-aviões era reduzida.
Considerou-se que os navios não tinham capacidade efectiva para se defenderem das ameaças soviéticas.

Dúvidas
Ainda hoje existem dúvidas sobre se o conceito de Zumwalt poderia ter tido sucesso. Na verdade os pequenos porta-aviões não se destinavam a operar em ambientes de guerra de alta intensidade, em combate com navios soviéticos. Por isso, as conclusões provavelmente não foram as mais correctas.

A pressão dos grandes estaleiros norte-americanos interessados na construção de um menor numero de navios a preços mais altos e melhores margens de lucro também não deixou de interferir nas decisões da marinha.

Principe de Asturias
Apenas um navio baseado no conceito SCS foi construido. Trata-se do porta-aviões espanhol Principe de Asturias.

Na verdade, o Principe de Asturias é bastante mais sofisticado que o que seria o SCS básico. Ele mostrou que não seria possível operar oito navios SCS pelo custo de operação de um grande porta-aviões, mas o Principe de Asturias também demonstrou ser muito mais capaz que o que tinha sido concluido pela comissão norte-americana que avaliou o conceito a bordo de um porta-helicópteros.

De notar que com base no porta-aviões Principe de Asturias foi igualmente construido um seu derivado, o Chakri Neuberet da marinha da Tailandia, que é baseado no mesmo conceito, embora com dimensões mais reduzidas.


   
---