Navios deste tipo:

Tarawa
Porta helicopteros
Wasp
Porta helicopteros
America
LHA Porta Helicopteros

Listar navios do tipo
Porta helicopteros


Estados Unidos da América
Porta helicopteros classe
Tarawa
(tipo Tarawa/Wasp)
Tarawa/Wasp

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 25000 Ton
Deslocamento máx. : 39967 Ton.
Tipo de propulsão: Turbina a vapor
Comprimento: 254.2 M - Largura: 40.2M
Calado: 7.9 M.
2 x Caldeiras (oleo) Combustion Engineering (0)
2 x Turbina a vapor Westinghouse (70000cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 888 Autonomia: 18000Km a 20 nós - Nr. Eixos: 0 - Velocidade Máxima: 24 nós

Canhões / armamento principal
3 x FMC-United Defense / BAE Systems 127mm L/56 Mk.45 Mod2 (Calibre: 127mm/Alcance: 23Km)


Forum de discussão

Os cinco navios da classe Tarawa, são considerados navios de assalto anfíbio, uma classificação específica da marinha dos Estados Unidos. Eles não são apenas porta-elicópteros como além disso somam a essa capacidade a de desembarque de lanchas a grande distância das costas.

Os navios são no entanto de enormes dimensões e facilmente confundiveis com porta-aviões. Na realidade apenas os grandes porta-aviões norte-americanos são maiores que estes navios. Nenhuma outra classe de porta-aviões consegue ultrapassar os Tarawa em termos de deslocamento máximo, com a única exepção do porta-aviões russo Admiral Kuznetsov.

Como navios de assalto anfíbios eles podem transportar até 1700 militares

O desembarque é possibilitado por quatro grandes lanchas de desembarque do tipo LCU-1610, podendo ser transportado um hovercraft de desembarque do tipo LCAC-12.


Utilização como porta-aviões

A dimensão dos navios da classe Tarawa (como dos Wasp, que foram construídos depois) leva às vezes a que sejam comparados a porta-aviões. Na verdade, foram feitas análises para estudar a possibilidade e viabilidade de operar este tipo de navio, juntamente com aeronaves de descolagem vertical.

A operação desse tipo de aeronaves, que está aliás prevista pelos fuzileiros navais norte-americanos é possível e permite dar às forças desembarcadas um apoio aéreo de enorme importância, mas no que respeita a sua utilização como porta-aviões, segundo o conceito de navio de controle marítimo é algo muito diferente.

Quando o congresso norte-americano ouviu o principal responsável da comissão designada para estudar a questão as respostas foram conclusivas:
Sendo excelentes plataformas, em nenhuma circunstância os navios deste tipo poderão alguma vez substituir em capacidade defensiva e de ataque um porta-aviões, por exemplo, da classe Nimitz.


Informação genérica:
Classificados como LHA, os navios da classe Tarawa e os da classe Wasp (um complemento daquela) foram concebidos com o intuito de combinar num só navio, as características dos porta-helicópteros da classe «Iwo Jima», juntamente com os navios doca como os «Austin».

No entanto, quando o projecto ficou concluido os navios acabaram por ter um deslocamento maior que dois daqueles navios juntos.

O deslocamento dos primeiros Tarawa atingiu as 39.300 toneladas, sendo portanto maior que qualquer outro navio, excepto os grandes porta-aviões.
Inicialmente foram projectados nove navios da classe mas apeas 5 foram construidos.

Eles foram planeados para construção modular, de forma a que vários estaleiros pudessem construir modulos separados que posteriormente seriam juntos.


Na foto superior um navio do tipo Tarawa em operação. A doca inundada permite a entrada das lanchas de desembarque, no caso uma tipo LCU-1610. Nas fotos inferiores dois dos tipos de lancha de desembarque utilizados nos Tarawa/Wasp. À direita uma LCU-1610 (deslocamento de 375ton. Carregado). A esquerda um hovercraft LCAC (deslocamento de 170ton carregado)


Posteriormente foi desenhada a classe Wasp, que se baseia em grande parte na classe Tarawa, mas com algumas modificações significativas, destinadas a dar aos navios maior capacidade em termos de «envolvimento vertical» e de capacidade de comando.

Uma terceira geração de navios deste tipo começou a ser desenhada em 2007 com o primeiro navio (USS America) a ser lançado em 2009. Trata-se na prática da continuação do último navio da anterior classe Tarawa, que dispõem de maior capacidade para operar aeronaves de descolagem vertical de asa fixa.


   
---