Navios deste tipo:

Moltke
Cruzador de batalha
Seydlitz
Cruzador de batalha
Yavuz (1914)
Cruzador de batalha

Listar navios do tipo
Cruzador de batalha


Império Alemão
Cruzador de batalha classe
Seydlitz
(tipo Moltke / Yavuz)
Moltke / Yavuz

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 24594 Ton
Deslocamento máx. : 28100 Ton.
Tipo de propulsão: Turbina a vapor
Comprimento: 200.5 M - Largura: 285M
Calado: 9 M.
27 x Caldeiras (carvão) Schulz-Thornycroft (0)
4 x Turbinas acopladas Parsons (63000cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 1068 Autonomia: 8500Km a 14 nós - Nr. Eixos: 4 - Velocidade Máxima: 26.5 nós

Canhões / armamento principal
10 x Krupp 280mm SK L/50 M.1911 (Calibre: 280mm/Alcance: 21.7Km)
12 x Krupp 150mm SK L/45 C13 m.1908 (Calibre: 150mm/Alcance: 18Km)


Forum de discussão

O Seydlitz foi encomendado pelo governo alemão no seu programa naval de 1910/1911 e era inicialmente um cruzador de batalha da classe Moltke com modificações mais evidentes ao nivel do casco.

Sabe-se que os britânicos conseguiram através de espionagem ficar na posse dos planos do Seydlitz, no entanto não parecem ter ficado impressionados pois não são conhecidas quaisquer alterações nos planos britânicos, resultado dessa informação.

O Seydlitz era mais longo que os Moltke, resultado da decisão de aumentar a potência do navio, aumentando o numero de eixos, o numero de caldeiras e o numero de turbinas.

O arranjo do armamento principal de cinco torres duplas com duas peças de 280mm (as duas últimas sobrepostas) manteve-se, como se manteve também o armamento secundário constituido por doze peças de 150mm. Também havia peças anti-aéreas de 88mm L/45.

O cruzador de batalha Seydlitz esteve presente na batalha de Dogger Bank, altura em que foi atingido por disparos de 343mm do cruzador de batalha Lion, que perfuraram a blindagem da sua torre mais à ré. A explosão provocou um incendio que se propagou à torre sobreposta tendo provocado a ignição das cargas dos projecteis.

As duas fotos mostram o estado em que ficou o cruzador de batalha Seydlitz após ter sido pesadamente atingido durante a batalha de Jutlândia. A capacidade de sobrevivência do cruzador de batalha alemão deveu-se à qualidade de construção, mas acima de tudo às medidas de segurança e de manuseamento de explosivos destinadas a impedir explosões descontroladas nos paiois. Caso contrário o destino dos navios alemães teria sido idêntico ao dos navios britânicos, descontado o facto de eles terem efectivamente melhor protecção que os seus congeneres.
Participação na batalha de Jutlândia

O navio foi reparado e esteve presente na batalha de Jutlândia, onde se transformou num dos mais importantes marcos daquela batalha naval.
Os disparos dos canhões de 280mm do Seydlitz levaram à explosão do cruzador de batalha Queen Mary. da classe Lion.

Por sua vez o Seydlitz foi atingido por um torpedo lançado pelo contra-torpedeiro britânico Petard. Com a sua mobilidade afectada, ele foi atingido por nada mais nada menos que oito projecteis de 381mm seis de 343mm e por oito de 305mm.

O navio esteve prestes a afundar-se, mas como não tinha sido atingido em áreas vitais, ele continuou a navegar a uma velocidade relativamente alta. Essa velocidade, provocou a macissa entrada de água, calculando-se que tenham chegado a entrar 5.329 toneladas de água a bordo, tendo a proa afundado cinco metros. No entanto ele navegou pelos seus próprios meios sendo detectado por navios britânicos durante a noite, os quais não abriram fogo por não terem identificado com segurança se se tratava de um navio alemão.

O Seydlitz dirigiu-se durante a noite para as costas da Alemanha numa situação periclitante, mas na manhã do dia seguinte o navio foi deliberadamente encalhado numa praia num estuário alemão, evitando assim o seu afundamento. Foi necessário remover os canhões e grande parte do conteudo do navio, para que ele pudesse ser rebocado para o estaleiro para ser reparado. Apesar dos danos exteriores, uma vez que a cintura blindada de protecção interior não tinha sido danificada as reparações demoraram apenas cinco meses.

Findo esse prazo o Seydlitz estava novamente ao serviço em Novembro de 1916. O navio seria a partir de aí o Navio Almirante da esquadra alemã até ao final da guerra.
Como a maioria dos couraçados e cruzadores de batalha alemães, o Seydlitz navegou até Scapa Flow depois do armistício, tendo sido deliberadamente afundado pela própria tripulação. O navio foi retirado do fundo em 1928 e aproveitado para sucata.


Informação genérica:
A classe Moltke foi constituida por dois navios. No entanto, um deles foi transferido para a marinha do Império Otomano no inicio da I Guerra Mundial, numa operação que apressou a entrada da Turquia na guerra.
A classe Moltke (dois navios e posteriormente apenas um) resultou na classe Yavuz (anteriormente chamado Goeben) são portanto exactamente iguais.

Já a classe Seydlitz é constituida por apenas um navio. Ele é basicamente um Moltke mais comprido, com mais espaço para mais caldeiras, mais turbinas e portanto maior potência e uma velocidade máxima também ligeiramente superior.

Como todos os cruzadores de batalha alemães os navios eram medianamente rápidos, bem armados mas pouco manobráveis a alta velocidade.


   
---