Navios deste tipo:

Atilay / U209-1200
Submarino de ataque (SSK)
Sabalo / 209-1200
Submarino de ataque (SSK)
Pijao / 209-1100
Submarino de ataque (SSK)
Salta / 209-1200
Submarino de ataque (SSK)
Poseidon / 209-1200
Submarino de ataque (SSK)
Glavkos / 209-1100
Submarino de ataque (SSK)
Cakra / 209-1300
Submarino de ataque (SSK)
Thomson / 209-1300
Submarino de ataque (SSK)
Shishumar / 209-1500
Submarino de ataque (SSK)
Tupi
Submarino de ataque (SSK)
Tikuna
Submarino de ataque (SSK)

Listar navios do tipo
Submarino de ataque (SSK)


Brasil
Submarino de ataque (SSK) classe
Tupi
(tipo U-209)

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 1453 Ton
Deslocamento máx. : 1590 Ton.
Tipo de propulsão: Propulsão diesel/electrica
Comprimento: 61.2 M - Largura: 6.2M
Calado: 5.5 M.
Profundidade: 250 M
Numero de tubos: 8
1 x Motor eléctrico Siemens (5000cv/hp)
4 x Motor a Diesel MTU 12V 493 (2400cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 36 Autonomia: 15000Km a 8 nós - Nr. Eixos: 1 - Velocidade Máxima: 21.5 nós

Torpedos

Radares
- Thomson-CSF / Thales Calypso-III (Navegação - Al.med: 0Km)

Sonares
- Atlas Elektronik GmbH CSU 83/1 / Pesquisa activa/passiva


Forum de discussão

A marinha do Brasil, tinha vindo a utilizar, desde o fim da segunda guerra mundial, submarinos de origem americana da classe Guppy. Nos anos 70, incorporou três submarinos britânicos da classe Oberon, deslocando 2400 toneladas. O plano de modernização da frota de submarinos, e a substituição dos velhos Guppy, levou o Brasil a analisar no mercado internacional quais as melhores opções que se apresentavam.

Depois de ter analisado os submarinos Agosta e Sauro, de projecto Italiano, a marinha brasileira, optou por uma das versões do já então firmado modelo U-209 de submarinos alemães, que constitui a família de maior sucesso no mercado mundial de submarino, com mais de 50 unidades em operação.

Os U-209 Brasileiros, eram mais pequenos que os anteriores Guppy ou que os Oberon, que deslocavam 2400 toneladas e carregavam 24 torpedos, no entanto, a sua superior velocidade e muito inferior tripulação, tornavam-nos mais fáceis e baratos de operar e mais eficazes nas missões que lhes estavam destinadas. Os Oberon, estiveram ao serviço por cerca de 20 anos, e foram descontinuados depois dos Guppy, e à medida que os U-209 foram sendo incorporados.

No entanto, aquilo que distingue os TUPI dos seus predecessores, é que estes, após negociação com o consórcio alemão IKL, foram não só comprados pelo Brasil, mas também construídos no Brasil, no Arsenal da Marinha, no Rio de Janeiro. O primeiro navio, foi construído em Kiel, mas os seguintes são de fabrico brasileiro.

O TUPI, é um U-209-1400, idêntico em grande medida aos U-209 da Turquia, da classe Preveze, com a diferença de os navios brasileiros não terem capacidade para disparar mísseis anti-navio. Aliás, só os U-209 da Turquia e da Grécia, dispõem, dessa capacidade.

A construção do TUPI no Brasil, permitiu à marinha ficar capacitada para não só fabricar os navios, como para muito mais facilmente efectuar todas as manutenções que são necessárias durante a vida útil dos navios, o que até aí tinha que ser feito no exterior.


Ver também classe Tikuna

A classe Tupi começou a ser modernizada, de forma a que os seus sistemas fossem colocados ao nível do submarino Tikuna. O primeiro navio a ser modernizado foi o S33 Tapajó, que ficou pronto em 2011.
Informação genérica:
A família de submarinos U-209 é a mais proficua de todas as classes de submarinos ocidentais construidos depois da II Guerra Mundial.

Embora a marinha da Alemanha tivesse optado por uma classe de submarinos mais pequenos e adequados para operação apenas no Báltico, os estaleiros alemães desenvolveram o submarino U-209 para o lucrativo mercado de exportação.

O U-209 é baseado no U-206, mas tem dimensões muito maiores e ao contrário daquele, tem capacidade para operar no oceano e autonomia para se deslocar a grandes distâncias.

Embora genericamente chamados de U-209 por partilharem em grande parte um conceito comum, há na realidade várias séries de submarinos U-209 que se diferenciam entre si, sendo alguns deles facilmente identificaveis externamente.

O U-209 é um submarino que pode ser configurado conforme as exigências e necessidades dos clientes e daqui resultou que todas as séries tenham diferenças entre si.

As várias séries dividem-se da seguinte forma: 1000/1100, 1200, 1300, 1400 e 1500.

Os submarinos das primeiras séries (1000, 1100, 1200) identificam-se exteriormente por terem um base da vela claramente proeminente e não integrada no casco.

A série 1300, parece ser uma série de transição, em que há navios que ainda não incorporam o novo casco e outros (caso do Chile) em que as novas características já estão incluidas.

Os navios seguintes, da série 1400 e 1500 têm linhas mais hidrodinâmicas e limpas que os seus antecessores.

Série Tupi / Tikuna
Os submarinos U-209 brasileiros dividem-se em dois grupos, partilhando no entanto grande parte das suas características.
O submarino Tikuna fazia parte de uma segunda série de submarinos que foi entretanto cancelada, ficando restringida a uma unidade. Os antigos submarinos da classe Tupi, estão a ser modificados elevando-os a um nível próximo ao Tikuna.