Navios deste tipo:

Fletcher
Contra torpedeiro
Lepanto (1957)
Contra torpedeiro
Pará (1959)
Contra torpedeiro
Brown (1961)
Contra torpedeiro

Listar navios do tipo
Contra torpedeiro


Brasil
Contra torpedeiro classe
Pará (1959)
(tipo Fletcher)
Fletcher

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 2050 Ton
Deslocamento máx. : 3050 Ton.
Tipo de propulsão: Turbina a vapor
Comprimento: 114.8 M - Largura: 12M
Calado: 5.5 M.
2 x Turbinas acopladas General Electric ()
4 x Caldeiras (oleo) Babcock & Wilcox (60000cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 260 Autonomia: 8600Km a 15 nós - Nr. Eixos: 2 - Velocidade Máxima: 35 nós

Canhões / armamento principal
5 x US Naval Gun Factory 127mm /38 (1x) Mk.30 m.1932 (Calibre: 127mm/Alcance: 11Km)
10 x Bofors / BAE Systems 40mm /L60 Mod Mk.V Mod 1944 (1x) (Calibre: 40mm/Alcance: 7.2Km)


Forum de discussão

O Brasil foi um dos principais utilizadores dos contra-torpedeiros da classe Fletcher depois dos Estados Unidos.
Os primeiros quatro dos sete navios foram transferidos entre 1959 e 1961 enquanto que os restantes três foram transferidos cerca de dez anos mais tarde. O último dos navios foi retirado de serviço apenas em 1990, quando começaram a ser incorporadas as fragatas da classe Greenhalg.

Vários navios foram sujeitos a modificações, entra as quais se encontra o aumento na capacidade de transporte de munição que passou de 350 para 420 munições.

Até meados dos anos 80 do século XX um dos últimos navios da classe, o contra-torpedeiro DD32 Santa Catarina, ainda reclamava o título de navio mais veloz da marinha brasileira, ao conseguir ultrapassar a velocidade máxima de 35 nós.

Como os restantes navios do periodo da II guerra mundial, eles tornaram-se demasiado caros de manter. Inicialmente previa-se a substituição dos navios contra-torpedeiros mais antigos por uma força de corvetas, mas posteriormente foram adquiridas menos corvetas novas, ao mesmo tempo que eram adquiridos navios em segunda mão. Contra-torpedeiros aos Estados Unidos e fragatas à Gra Bretanha


Informação genérica:
A mais numerosa classe de navios construida durante a II guerra mundial [1], a classe Fletcher continuou ao serviço na marinha dos Estados Unidos em alguns casos até ao final dos anos 60. Depois de ter servido na marinha norte-americana, uma parte da frota foi cedida a marinhas de países aliados.

Embora em termos numéricos a classe seja muito significativa ela não foi escolhida para grande numero de modernizações. A razão que explica isto reside no facto de haver muitos navios de outras classes um pouco mais modernas (igualmente lançadas durante a II Guerra Mundial), como as classes Allen Sumner e Gearing que eram mais adequadas a modernizações.

Isto levou a que muitas unidades fossem disponibilizadas para venda e cedência gratuita a marinhas estrangeiras e muitos navios continuaram no serviço activo durante cerca de quarenta anos.

Classe Pará
Navios cedidos ou vendidos à marinha do Brasil.


[1] - A classe Gearing teve 105 unidades encomendadas mas 11 foram canceladas por causa do fim da guerra. Algumas publicações consideram conjuntamente as classes Gearing e Allen M.Sumner. Neste caso se estas duas classes forem consideradas como uma só, teriam sido construidas 159 unidades, o que ultrapassa as 98 unidades da classe Fletcher.


   
---