Navios deste tipo:

Fletcher
Contra torpedeiro
Lepanto (1957)
Contra torpedeiro
Pará (1959)
Contra torpedeiro
Brown (1961)
Contra torpedeiro

Listar navios do tipo
Contra torpedeiro


Argentina
Contra torpedeiro classe
Brown (1961)
(tipo Fletcher)
Fletcher

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 2050 Ton
Deslocamento máx. : 2500 Ton.
Tipo de propulsão: Turbina a vapor
Comprimento: 114.8 M - Largura: 12M
Calado: 3.8 M.
4 x Caldeiras (oleo) Babcock & Willcox (0)
2 x Turbina a vapor General Electric (60000cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 320 Autonomia: 8600Km a 15 nós - Nr. Eixos: 2 - Velocidade Máxima: 36 nós


Forum de discussão

Os contra-torpedeiros argentinos da classe Brown (ou Alm.Brown) são todos navios adquiridos em segunda-mão, que tinham servido na marinha dos Estados Unidos durante a II guerra mundial.

Os três navios iniciais (Brown, Espora e Rosales) fizeram parte da II divisão de contra-torpedeiros (destructores em lingua castelhana). Estes primeiros três navios foram cedidos à marinha da Argentina. A sua cedência ocorreu em 1961. Dez anos mais tarde, a marinha da Argentina decidiu adquirir mais dois navios do mesmo tipo, que receberam os nomes Alm e Alm. Domecq Garcia.

O contra-torpedeiro Alm. Storni, esteve envolvido num incidente com um navio de pesquisas britânico a sul das ilhas Malvinas em 1976, altura em que disparou tiros de aviso sobre o navio britânico, cerca de cinco anos antes da guerra das Malvinas.

Apenas um navio deste tipo estava ao serviço em 1982 quando ocorreu o conflito no Atlântico Sul entre a Argentina e a Grã Bretanha. O contra-torpedeiro encontrava-se na situação de reserva com tripulação reduzida e foi rebocado para uma posição na cidade de Puerto Belgrano, de onde podia servir como bateria defensiva, mas essencialmente como radar de alerta antecipado. Dez dias após a rendição argentina o navio deslocou-se novamente para o porto, não tendo tido qualquer outra missão.


Informação genérica:
A mais numerosa classe de navios construida durante a II guerra mundial [1], a classe Fletcher continuou ao serviço na marinha dos Estados Unidos em alguns casos até ao final dos anos 60. Depois de ter servido na marinha norte-americana, uma parte da frota foi cedida a marinhas de países aliados.

Embora em termos numéricos a classe seja muito significativa ela não foi escolhida para grande numero de modernizações. A razão que explica isto reside no facto de haver muitos navios de outras classes um pouco mais modernas (igualmente lançadas durante a II Guerra Mundial), como as classes Allen Sumner e Gearing que eram mais adequadas a modernizações.

Isto levou a que muitas unidades fossem disponibilizadas para venda e cedência gratuita a marinhas estrangeiras e muitos navios continuaram no serviço activo durante cerca de quarenta anos.

Classe Pará
Navios cedidos ou vendidos à marinha do Brasil.


[1] - A classe Gearing teve 105 unidades encomendadas mas 11 foram canceladas por causa do fim da guerra. Algumas publicações consideram conjuntamente as classes Gearing e Allen M.Sumner. Neste caso se estas duas classes forem consideradas como uma só, teriam sido construidas 159 unidades, o que ultrapassa as 98 unidades da classe Fletcher.


   
---