Navios deste tipo:

Radetzky
Couraçado «Pré Dreadnought»
Tegethoff
Couraçado «tipo Dreadnought»

Listar navios do tipo
Couraçado «tipo Dreadnought»


Império Austro-Hungaro
Couraçado «tipo Dreadnought» classe
Tegethoff
(tipo Couraçados austríacos)
Couraçados austríacos

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 20013 Ton
Deslocamento máx. : 21595 Ton.
Tipo de propulsão: Turbina a vapor
Comprimento: 152.2 M - Largura: 27.3M
Calado: 8.9 M.
12 x Caldeiras (carvão) Yarrow (0)
4 x Turbinas acopladas Parsons (27000cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 1087 Autonomia: 7500Km a 10 nós - Nr. Eixos: 4 - Velocidade Máxima: 20.3 nós

Canhões / armamento principal
12 x Skoda 305mm /45 (K-10) (Calibre: 305mm/Alcance: 20Km)


Forum de discussão

A classe Tegethoff foi a única classe de navios deste tipo desenvolvida pelo império austro-hungaro.

O Viribus Unitis, foi o mais poderoso couraçado da marinha do Império Austro-Hungaro
Notar que o Sven István, construido em estaleiros hungaros, foi lançado mais tarde e é por isso ligeiramente diferente dos outros navios. A principal alteração são a 12 caldeiras Babcock & Wilcox e as turbinas Curtiss.

O desenvolvimento destes navios esteve envolvido em polémica desde a primeira hora, pois nem sequer havia consenso sobre a autorização para dispender os recursos necessários para a construção dos navios. A oposição por parte da Hungria ao aumento das despesas militares, dentro do império austro-hungaro esteva na origem destes problemas, com a não existência de um plano naval entre 1904 e 1909.
A construção acabou por começar sem autorização por parte do parlamento e com uma garantia pessoal do ministro da defesa.
Para piorar as coisas, depois de a construção ter tido inicio, os fundos foram mesmo recusados, pelo que foi necessário encontrar soluções de recurso, como garantias pessoais por parte do ministro da defesa, que foi forçado a pedir um emprestimo em nome pessoal, para permitir a continuação da construção dos navios.

Enfrentar a marinha italiana

Realidade política da Europa central, o império austro-hungaro tinha apenas costa no mar Adriático, na área correspondente à Eslovénia, que estava na dependência da Áustria e na costa Croata, que pertencia à Hungria.

Ainda que nominalmente um aliado desde o final do século XIX, o principal adversário potencial do império era por isso a vizinha Itália, país que tinha acabado de se reunificar e que se preparava para lançar o sei primeiro navio couraçado.

Sabia-se que os italianos íam introduzir uma novidade completa em termos de couraçados: as torres triplas.
A introdução pelos italianos das torres triplas de 305mm acabou por influenciar os austríacos, que em resposta também lançaram os seus navios com quatro torres triplas.
O quarto navio, o Szent Istvan, foi construido nos estaleiros de Fiume (atual Rijeka), que pertenciam ao Reino da Hungria e porque foi lançado mais tarde apresenta agumas modificações.

Os quatro Tegetthoff são geralmente vistos como navios poderosos, embora o seu armamento principal de 305mm já tivesse sido ultrapassado por calibres superiores.

Os navios da classe, ficaram o resto da guerra na base naval de Pola, na atual Croacia, por receio de os empregar em grandes ações de esquadra.


Informação genérica:
O Império Austro-Hungaro, existiu formalmente após 1867, ainda que tenha sido o resultado do acordo entre Austríacos e Hungaros, para manter de forma coesa os territórios do antigo império austríaco.

Essa realidade política do centro da Europa tinha ligação ao mar Mediterrâmeo apenas através do estreito e longo mar Adriático, o que desde logo colocava problemas para a marinha de guerra do país, uma vez que o Adriático pode ser bloqueado com alguma facilidade.
Esta realidade geográfica condicionou sempre as características dos navios austríacos e especialmente a partir do momento em que os navios blindados se transformam nos principais meios para a guerra no mar.

O Império Austro-Hungaro manteve uma poderosa força naval desde que começaram a ser utilizados navios blindados. A sua primeira grande batalha naval dessa era ocorreu em Lissa, quando os navios austríacos infligiram uma pesada derrota à marinha italiana.

Com o aumento da complexidade e custo dos grandes navios blindados, o império Austro-Hungaro ficou numa posição secundária relativamente à principais potências navais da Europa, a Grã Bretanha, a França e a Alemanha.

Embora durante o periodo de viragem do século a Áustro-Hungria fizesse parte de uma aliança com a Itália, aquele era na realidade o seu principal rival.

Desde a última década do século XIX até à II guerra mundial, o império desenvolveu algumas séries de navios couraçados dignos de referência.
Por causa de ser essencialmente uma potência do Adriático, a Áustria desenvolveu inicialmente uma classe de três pequenos couraçados de defesa costeira, a classe Monarch, com navios que deslocavam 5547t, com um armamento principal de três peças de 240mm.

Pre Dreadnoughts

Os primeiros navios do tipo pré-Dreadnought foram os três couraçados da classe Habsburg, com um deslocamento máximo de 8823t e um armamento principal de 3 peças de 240mm.

Depois foram lançados os três navios da classe Erzherzog Karl, com um deslocamento de 10472t e um armamento principal de 4 peças de 240mm e 12 peças de 190mm.

Já em pleno século XX, em 1907, foram lançados os três Radetzky, com um deslocamento máximo na ordem das 15845t e com quatro peças principais de 305mm e oito peças intermédias de 240mm

Dreadnoughts

Os únicos navios do tipo Dreadnought foram os quatro couraçados da classe Tegetthoff com um deslocamento máximo de 21595t e um poderoso armamento principal de 12 peças de 305mm.

Com o fim da I guerra mundial, o império austro-hungaro entrou em colapso e os seus navios foram distribuidos entre as potências vencedoras.


   
---