Listar navios do tipo
Porta aviões ligeiro


Japão
Porta aviões ligeiro classe
Zuiho

Dados principais Motores
Deslocamento standard: 12000 Ton
Deslocamento máx. : 14798 Ton.
Tipo de propulsão: Turbina a vapor
Comprimento: 201.45 M - Largura: 18.2M
Calado: 6.64 M.
4 x Caldeiras (oleo) - (0)
2 x Turbinas acopladas Kanpon (52000cv/hp)
Tripulação / Guarnição: 785 Autonomia: 14400Km a 18 nós - Nr. Eixos: 2 - Velocidade Máxima: 28 nós

Aeronaves embarcadas
- 8 x Mitsubishi A5-M2 «Claude»
- 12 x Mitsubishi A6M2 «Rei-sen»


Forum de discussão

Classe de duas unidades inicialmente construidas como navios de apoio a submarinos. A necessidade japonesa de mais navios porta-aviões levou a que o Zuiho, como o seu gémeo o Shoho fossem adaptados para operação como porta-aviões ligeiros.

Os navios tinham sido lançados em 1934 e 1935. O Shoho, que chegou a ficar pronto como navio de apoio a submarinos em 1939, em 1941/42 voltou ao estaleiro para ser modificado.

Já o Zuiho, foi lançado apenas em 1935 e ainda não tinha sido completado quando foi tomada a decisão de o converter. Por isso, o Zuiho ficou pronto como porta-aviões antes do Shoho.

Além das modificações óbvias, os navios viram removidos os motores Diesel que inicialmente estavam previstos, sendo instaladas caldeiras a óleo.

Capazes de 28 nós como velocidade máxima os dois navios podiam transportar 30 aviões, num só hangar, ainda que a crónica falta de aviões e pilotos que afetou a marinha japonesa logo em 1942, levasse a que normalmente o complemento de aviões fosse inferior.

O Zuiho, inicialmente designado Takasaki antes da conversão, não chegou a ser completado como navio de apoio a submarinos, pelo que foi concluido como porta-aviões e entregue ainda em 1940.

Ele ficou em portos japoneses até 1941, altura em que participou na operação de apoio à retirada da frota que atacou Pearl Harbour em Dezembro de 1941.
Embora tenha estado indiretamente envolvido na batalha de Midway o navio não entrou em combate. Mais tarde, chegou a ficar danificado durante a batalha de Santa Cruz, uma das batalhas da campanha de Guadalcanal. O Zuiho foi um dos navios que apoiou a retirada japonesa.
Durante o ano de 1943, por causa das contínuas faltas de aeronaves, os aviões do navio foram várias vezes enviados para bases em terra, pelo que foi pouco utilizado como porta-aviões.
Finalmente em 1944, com a marinha japonesa praticamente sem aeronaves, o Zuiho fez parte da frota do almirante Ozawa (força norte), que juntamente com os porta-aviões Zuikaky, Chitose e Chiyoda, e outros navios, tentaram atrair de forma suicida a força mais poderosa da marinha americana, para evitar que tal força embatesse contra a esquadra principal japonesa, que deveria bombardear a costa Filipina, desarticulando assim o desembarque americano nas ilhas.

Na realidade a principal esquadra americana caiu no logro e enviou os seus navios contra os navios japoneses, deixando as forças americanas de desembarque quase desprotegidas.
Na madrugada de 25 de Outubro, os japoneses lançam 75 aviões para atacar os americanos, que contam com dez porta-aviões (cinco de esquadra e cinco ligeiros), seis couraçados, dois cruzadores pesados e dois ligeiros. A bordo dos navios americanos há quase 1000 aviões.

Às 07:35, depois de ter escapado ao ataque de torpedeiros Avenger, e quando tentava lançar os últimos aviões que tinha de reserva, o Zuiho foi atingido por uma bomba de 230kg que perfurou a pista de voo e vários conveses, tendo avariado um dos elevadores.
Vários fogos espalharam-se pelo navio, mas 20 minutos depois tinham sido apagados.
Como os aviões americanos tentavam também atingir outros navios, só às 13:00 é que uma nova vaga de aviões americanos atingiu o navio com um torpedo e duas bombas, ao mesmo tempo que estilhaços destruiam cabos e condutas , tornando o navio inoperacional e reduzindo a velocidade para 12 nós. Às 14:10 todas as bombas do navio estavam a tentar evitar que se afundasse. Às 14:45 os motores deixaram de funcionar e o navio ficou parado na água. Embora o ataque não tivesse atingido diretamente o navio os estilhaços foram suficientes para o danificar mais levando a que fosse ordenado o abandono às 15:10. O Zuiho afundou-se 16 minutos depois, morrendo 215 homens.


Já o Shoho, (não confundir com o porta-aviões Hosho) teve uma vida curta como porta-aviões, já que depois da sua conversão entrou ao serviço em 26 de Janeiro de 1942, alguns dias depois do inicio da guerra. Ele foi enviado em Abril para sul, para a base japonesa dentro do atol de Truk. Na altura o Shoho tinha ao serviço apenas 18 aviões, sendo quatro deles torpedeiros, seis bombardeiros «Kate» e oito caças «Zero».
Em 5 de Maio, uma aeronave da força aérea do exército norte-americano detetou o navio, mas ele estava muito longe para que pudesse ser atacado. Tinha tido inicio a batalha do Mar de Coral.

No dia seguinte, os porta-aviões americanos Lexington e Yorktown lançaram quase uma centena de aviões contra os dois grandes porta-aviões japoneses que se encontravam na área o Zuikaku e o Shokaku. No entanto, quando os aviões já estavam no ar, os americanos perceberam que se tinham enganado. Quando voltavam para trás os avioes receberam ordens para atacar um alvo menor que entretanto tinha sido detetado.
Esse alvo era o Shoho, que foi assim atacado pelo grosso da força americana.

O ataque começou às 11:10, tendo os japoneses lançado quatro caças zero contra os aviões americanos. Embora a primeira vaga tenha sido detida, os japoneses foram vencidos pelo número. O Shoho foi atingido pela primeira vez às 11:18 com duas bombas de 450kg, a que se seguiram mais 11 impactos. Com o navio atingido por 13 bombas e 7 torpedos, o comandante ordenou o abandono do navio às 11:31.
O navio afundou-se às 11:34, tendo morrido 300 homens.

O Shoho, foi o primeiro porta-aviões afundado durante a guerra no Pacífico.


Informação genérica:


   
---