Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Veículo ligeiro de reconhecimento

Veículos idênticos ou relacionados:


Chaimite V200
Veículo Blindado Transporte Pessoal

Chaimite V-400
Veículo ligeiro de reconhecimento

LAV-150
Veículo ligeiro de reconhecimento

LAV-300
Veículo médio de reconhecimento

M1117
Veículo Blindado Transporte Pessoal

 

Notícias relacionadas
Futuras Forças Armadas em Timor irritam Austrália
Pandur com peça de 105mm novamente em consideração
Crise chega às Pandur-II do exército português

LAV-150
Veículo ligeiro de reconhecimento (Textron Marine & Land)

Projeto: Textron Marine & Land
Estados Unidos da América
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
5.6
6m
2.26m
2.35M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
8.5t
9.89t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
M-75 V8/gas.
210cv
90 Km/h
35 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Quatro rodas motrizes
300 Litros
650Km
5
65º
40º
N/disponivel
0M
0.9M

Armamento básico
- 1 x 90mm CM90 Mk.3 (Calibre: 90mm - Alcance estimado de 1.6Km a 3.5Km)
- 1 x 7.62 M60E (Calibre: 7.62mm - Alcance estimado de 1.2Km a 3.7Km)
- 1 x 7.62 M60D (Calibre: 7.62mm - Alcance estimado de 1.2Km a 3.7Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Portugal
Designação Local:Autometralhadora V15
Qtd: Máx:15 - Qtd. em serviço:15
Situação: Em serviço
Operacionalidade:
Adquiridos pelo exército português no inicio dos anos 90, estes veículos substituíram pelo menos em termos de características as antigas «autometralhadoras» Panhard EBR do exército.

Embora a Chaimite seja bastante similar a este, o V-150 é um veículo bastante mais moderno que o primeira. Os V-150 estão atribuídos aos Esquadrões de Reconhecimento da Brigada de Reacção rápida BRR (BAI) e da Brigada de Intervenção (BLI) estando atribuídas seis unidades a cada esquadrão de reconhecimento ligeiro.

As restantes unidades estão na Escola Prática de Cavalaria (EPC). Os V-150 nunca foram empregues operacionalmente em missões de paz, ao contrário das Chaimites que foram destacadas para a missão na Bósnia e, posteriormente, para a do Kosovo.

Contudo, são apontadas algumas deficiências em relação ao V-150, nomeadamente a sua altura e blindagem que o tornam muito vulnerável, enquanto a torreta faz com que o seu transporte seja complicado. A tracção às quatro rodas, limita a estabilidade da viatura e a precisão do tiro do canhão de 90mm, e mesmo com o sistema hidráulico de absorção do impacto ele não parece conseguir absorver a energia do disparo de uma munição de alta velocidade porque o canhão CMI CM-90 Mk.3 é demasiado potente para um veículo tão leve.

A aquisição do LAV-150, em detrimento do V-400, versão do Chaimite equipada com um canhão de 90mm, parece efectivamente estar relacionada com a opção do exército português por um veículo equipado com um canhão com capacidade para disparar munição perfurante de alta velocidade (HPFSDS) que pudesse substituir o Panhard-EBR na sua função de veículo de reconhecimento.

Está em estudo a aquisição opcional por parte do exército português de viaturas Pandur-II equipadas com canhão de 105mm. Caso o exército venha a adquirir as viaturas Pandur-II estas deverão substituir pelo menos parcialmente os V-150.


O V-150, é um dos veículos da família também conhecida como LAV (Light Armoured Vehicle) que foi desenvolvida nos Estados Unidos nos anos 60. O veículo é levemente blindado e caracteriza-se pela instalação de uma torre equipada com um canhão de 90mm.

Várias torres com um canhão deste tipo foram testadas em várias séries, e optou-se por utilizar um canhão de baixa pressão, de forma permitir a utilização de um canhão de calibre 90mm num veículo com um peso relativamente leve.

Inicialmente o V-150 podia disparar munição explosiva HE, tipo HEAT e tipo HESH, embora este último tipo de munição seja pouco eficiente contra veículos blindados modernos.

Já nos anos 80, foi desenhada a torre CM-90 Mk.3 pela empresa Cockeril, equipada com um novo canhão que utilizava um sistema de absorção do impacto do disparo, que permitiu a utilização de munição perfurante de alta velocidade, a qual tem capacidade para perfurar a blindagem dos carros de combate modernos.

Pelos dados conhecidos Portugal foi o único país que adquiriu esta versão do V-150 equipada com uma peça com esta capacidade.

Informação genérica:
Familia de veículos de transporte de pessoal de origem norte-americana V-100. Trata-se de um veículo 4x4 com motor atrás, blindagem ligeira e capacidade anfíbia e alta velocidade em estrada.

Muitos veículos deste tipo foram utilizados na guerra do Vietname, tendo sido utilizados pelo exército da República do Vietname do Sul.

Só ,mais tarde, reconhecendo as vantagens da necessidade de dispor de alguma blindagem para as suas forças móveis, os norte-americanos adquiriram também este veículo. Foram encomendados pelo exército, para as suas forças de policia e também pela Força Aérea dos Estados unidos.

Existem várias versões e séries deste veículo.

De entre essas destacam-se as conhecidas como «Chaimite» e que foram produzidas por Portugal nos anos 70 e 80, estando ao serviço naquele país europeu, chegando a ser exportado nas suas várias versões, que incluiam versão porta-morteiro e uma versão equipada com mísseis anti-tanque.

Os portugueses estudaram também versões para apoio de fogo (equipadas com canhão de 90mm de baixa presão) e veículos equipados com torres para defesa anti-aérea que não chegaram a estagio de produção.
Embora não tenham sido produzidas estas versões, algumas unidades da versão base V-200 foram modificadas para diferentes funções.

A empresa Cadillac-Gage foi comprada pela Textron Marine & Land, e o projecto continuou a ser desenvolvido, tendo presentemente resultado numa família de veículos classificados como «veículo blindado de segurança» e que são utilizados pelo exército dos Estados Unidos para protecção de colunas miltares.

A sua mais recente versão chama-se M-1117 e também possui versões de transporte de tropas e de infantaria.