Voltar


Google Custom Search

Armas e equipamentos relacionados

Avião de caça - P-40C «Warhawk / Tomahawk»


Acontecimentos Relacionados
07-12-1941
Ataque a Pearl Harbour
08-12-1941
Invasão da Malásia
10-12-1941
Afundamento da «Força Z»
15-02-1942
Queda de Singapura
04-06-1942
Batalha de Midway
07-08-1942
Batalha de Guadalcanal
26-10-1942
Batalha de Santa Cruz
20-10-1944
Batalha de Leyte
25-10-1944
Batalha de Cabo Engano
25-10-1944
Batalha de Samar
25-10-1944
Batalha do Estreito de Surigao
06-08-1945
O primeiro ataque nuclear


Batalha de Guadalcanal
II Guerra Mundial / Pacífico
07-08-1942

Este acontecimento teve inicio em: 07-08-1942 e terminou em 07-08-1942
Vencedor: Estados Unidos da América

Forças em presença:


Depois da vitória esmagadora da marinha norte-americana na batalha de Midway, em que os mais poderosos porta-aviões japoneses foram afundados, os aliados no Pacífico começaram a considerar a possibilidade de passar à ofensiva, dado até aí terem permanentemente assumido uma posição defensiva perante os avanços japoneses.

O lugar onde foi decidido efectuar o primeiro ataque significativo, com vista a impedir a progressão japonesa em direcção a sul (com o intuito de evitar que a Australia ficasse isolada), foi a mais importante das ilhas Salomão, a ilha de Guadalcanal.

A batalha pelo controlo de Guadalcanal durou meses e começou quando os americanos desembarcaram as suas primeiras tropas, a 7 de Agosto de 1942.
São tropas da primeira divisão de fuzileiros navais, que serão apoiadas por um regimento da segunda divisão também do corpo de fuzileiros.

O numero total de militares envolvidos na operação atingiria portanto cerca de 19.000 homens.
Para apoiar esta força, estava preparada uma esquadra, cujo principal componente eram três porta-aviões sob o comando do Alm. Fletcher.


Japoneses desprevenidos
Os japoneses ficaram surpreendidos com a operação. Aliás, tão inesperada era a operação que o pequeno destacamento japonês que se encontrava em Guadalcanal e na vizinha ilha de Tulagi, não detectou imediatamente a aproximação de navios de guerra.

A operação de invasão prosseguiu com uma breve preparação de artilharia, após a qual se iniciou a operação de desembarque. No total foram desembarcados 11.150 homens em Guadalcanal, juntamente com outros 6.800 que foram desembarcados nas vizinhas ilhas de Tulagi e de Gavutu-Tanambogo.

A força japonesa era mínima, pois era constituida por apenas 2.200 homens, a maioria dos quais pertencentes a unidades de apoio logístico e construção. Os comandos japoneses optaram por isso por fugir para o centro da ilha e aguardar reforços a coberto da vegetação cerrada. Os japoneses ofereceram alguma resistência, especialmente por parte de pequenos destacamentos de infantaria naval japonesa.

Ilha sob controlo americano

Pode-se afirmar que no dia seguinte, 8 de Agosto, as ilhas encontravam-se sob controlo americano. Este controlo não era absoluto, mas as forças norte-americanas controlavam a única pista de aviação de Guadalcanal, baptizada de Handerson Field e isso dava-lhes alguma vantagem.

Resposta japonesa

O inesperado ataque norte-americano, que era o primeiro que o Japão sofria desde o inicio da guerra, conduziu a que os japoneses respondessem com tudo o que tinham à mão.

No entanto, a expansão japonesa no Pacífico durante os primeiros seis meses de 1942, tinha sido fulminante e o resultado era um fina linha de abastecimentos e de postos defensivos com dificuldades de abastecimento.

Os japoneses lançaram ataques contra Guadalcanal utilizando bombardeiros baseados em Rabaul.

Fuga americana

Os ataques aéreos contra as forças navais americanas que apoiavam o desembarque, levaram o comandante naval americano a mandar retirar os seus navios.

Desde Pearl Harbour, que os norte-americanos estavam em grande desvantagem em termos de couraçados, mas depois da batalha de Midway, as coisas tinham ficado equilibradas.
Mas se os americanos perdessem os seus três porta-aviões (e só dispunham de quatro no total) ficaria perdida qualquer capacidade de contestar o dominio do oceano à esquadra japonesa.

Mas a retirada da esquadra provocou um problema grave, pois grande parte dos mantimentos para as forças desembarcadas ainda estavam a ser descarregados dos navios.
Ao ordenar a retirada dos navios americanos para sul para ficar fora do alcance dos aviões japoneses, a marinhe deixou os 19.000 fuzileiros navais desprovidos de apoio de fogo ofensivo e sem armamento pesado para se poderem defender de eventuais ataques.

Batalhas navais em Guadalcanal

Na noite de 9 para 10 de Agosto, numa batalha naval, os japoneses afundam três cruzadores e um contratorpedeiro americanos, juntamente co um cruzador australiano no que ficou conhecido como batalha da ilha de Savo.
Os fuzileiros ficaram assim completamente isolados e sem que houvesse protecção para os navios de transporte que precisavam chegar a Guadalcanal para entregar reforços e comida, que as forças em terra não tinham chegado a receber.

A batalha que então se vai seguir, é uma batalha para garantir o controlo dos céus, pois quem controlar os céus, conseguirá impedir o envio de reforços para o lado contrário. Por isso, para os norte-americanos torna-se absolutamente vital manter o controlo de Handerson Field, e prepara-lo para receber aeronaves de combate.
Esta operação teve que ser feita por tropas que estavam mal armadas e com rações de alimentação reduzidas e enquanto os japoneses atacavam. A 18 de Agosto eles desembarcaram uma força de 1.000 homens do exército imperial.

Anderson Field operacional

A 20 de Agosto, depois de terem apressadamente enviado contratorpedeiros para descarregar combustível de aviação, e pessoal especializado para construir aeródromos, os americanos conseguem tornar o aeroporto da ilha operacional.
No dia seguinte chegam 19 caças e 12 bombardeiros de voo picado.

Os aviões ficaram operacionais mesmo a tempo, porque por volta de 25 de Agosto, é detectada uma poderosa força japonesa de desembarque. Para tentar evitar esta força, os americanos enviam os seus navios para a area oriental das ilhas Salomão, onde se envolvem numa batalha de que resulta o afundamento de um porta-aviões japonês e em danos consideráveis para o porta-aviões Entreprise.

Mesmo assim, o chamado «Expresso de Tokyo» conseguiu desembarcar em Guadalcanal durante a noite mais de 6.000 militares japoneses até ao final de Agosto.
É com esta força que os japoneses tentam atacar os fuzileiros americanos que estão em volta do aerodromo de Handerson Field. Os principais ataques ocorrem entre 12 e 14 de Setembro.
O ataque japonês foi feroz e calcula-se que as baixas tenham atingido metade dos efectivos. Já as baixas americanas podem ter atingido até 20% das forças envolvidas na defesa do perímetro do aeródromo.

Depois deste ataque inicial, tanto os japoneses quanto os americanos redobraram esforços para terminar o confronto a seu favor.

Os americanos receberam reforços que elevaram a sua força até 23.000 homens, enquanto os japoneses reforçaram os seus efectivos com 20.000 tropas frescas.
Em termos de efectivos, as duas forças estão mais ou menos equiparadas.

Em 11 de Outubro os americanos começam a desembarcar forças de um regimento do exército, no mesmo dia em que os couraçados japoneses bombardeiam fortemente as posições americanas, danificando seriamente o aerodromo de Handerson Field e tornando-o inoperacional por uma semana.

Os ataques japoneses em terra sucederam-se à medida que as forças navais se degladiavam no mar. Dos recontros navais resulta o afundamento do porta-aviões Hornet e de um porta-aviões de escolta japonês, juntamente com sérios danos provocados a um dos maiores porta-aviões japoneses, de que resultou a perda de cerca de 100 aeronaves.

Já para o final de Outubro, a II divisão de fuzileiros desembarca em Guadalcanal, permitindo aos americanos, agora em superioridade numérica, assumir uma posição mais ofensiva e expandindo o perímetro de defesa do aerodromo de Handerson Field.

Em Dezembro, o total de forças dos Estados Unidos atingia 58.000 homens. Com esta força disponível foi finalmente possível empurrar os japoneses até que estes acabaram por retirar em Fevereiro de 1943.

Baixas:

O total de baixas japonesas atingiu 24.000 homens (14.000 mortos, 1.000 capturados e 9.000 feridos) a que se junta a perda de dois couraçados um porta-aviões ligeiro, três cruzadores pesados, onze contratorpedeiros e seis submarinos. O Japão perdeu também cerca de 800 aviões.

Do lado americano as baixas foram muito menores, com 1.600 baixas, juntamente com a perda de dois porta-aviões, seis cruzadores pesados, dois cruzadores ligeiros e 14 contratorpedeiros. No total as perdas de aeronaves foram elevadas, tendo-se cifrado em cerca de 600 unidades.

Guadalcanal e Estalinegrado

A derrota japonesa em Guadalcanal, foi para estes o verdadeiro ponto de viragem da guerra.

A partir de Guadalcanal, o exército imperial perdeu a iniciativa e não voltou a ganhar batalhas. Ainda que numa dimensão diferente, a derrota japonesa ocorreu exactamente na mesma altura em que em Estalinegrado a Alemanha sofria também uma amarga derrota, pelo que o inverno de 1942/1943 é para a II Guerra Mundial, o verdadeiro ponto de viragem no conflito mundial de 1939-1945. As potências do Eixo, são derrotadas dos dois lados do mundo.