Força Aérea


Translation to English not responsability of areamilitar.net.
Service is supplied as is and correct interpretation is not guaranteed.
FX-2 : Americanos tentam responder à França
Pacote de «ofertas» tenta convencer brasileiros
07.08.2009


Na luta para convencer o governo e as autoridades militares brasileiras a escolher seu modelo de avião para vencedor do programa FX2 que prevê a aquisição de 36 caças para a força aérea, os norte-americanos enviaram ao Brasil uma equipe de peso para tentar na reta final, influenciar a decisão em seu favor.

Um grupo de diplomatas e pessoas ligadas à defesa e ao Departamento de Estado, estiveram em Brasília para apresentar suas melhores propostas e para tentar convencer o governo brasileiro a optar pelo caça F/A-18 contra o francês Rafale, que é tido como favorito, não necessariamente por razões técnicas, mas essencialmente por razões políticas.

As propostas americanas ocorrem numa altura em que o caça francês é dado como claro favorito, e quando a imprensa brasileira afirma mesmo que o ministro da defesa do Brasil já escolheu o caça e que esse caça é o Rafale.

Os norte-americanos estão especialmente interessados em contradizer os argumentos franceses de que os Estados Unidos não facilitarão ao Brasil a transferência de tecnologia, que é presentemente vista como da maior importância para o desenvolvimento da indústria aeronáutica brasileira, ainda que não esteja aí o principal problema.

Tanto franceses e americanos quanto brasileiros, sabem que o Brasil poderá nacionalizar de 15 a 30% da produção da aeronave[1], mas grande parte dos sistemas vão continuar sendo importados dos países fabricantes.
A argumentação e contra-argumentação gira portanto em torno não só da transferência de tecnologia como também da licença para a utilização de armamentos mais sofisticados, que normalmente Washington considera com especial reserva, exigindo em alguns casos que os armamentos, como por exemplo mísseis mais sofisticados, sejam comprados, mas entregues apenas em caso de necessidade.

O Brasil já deu a entender que não aceitará esse tipo de exigência e limitação. Em Washington, a Boeing, junto com outras empresas de defesa, avisaram já há algum tempo os deputados e senadores, que esse tipo de proibição acabará sufocando as exportações norte-americanas de armamento.
Numa carta enviada pela Secretaria de Estado e assinada por Hillary Clinton, os Estados Unidos terão dado ao governo brasileiro garantias sobre a questão das limitações.

Conforme divulgado pela imprensa, a negociação para o fornecimento dos caças F-18 na versão monolugar e bilugar, inclui:

- 28 x F/A-18E Super Hornet monolugar
- 8 x F/A-18F Super Hornet bilugar
- 72 x F414-GE-400 motores instalados
- 4 x motores F414-GE-400 de reposição
- 36 x radares AN/APG-79,
- 36 x canhões M61A2 de calibre 20mm
- 36 x Receptores de aviso radar AN/ALR-67(V)
- 144 x Sistemas de lançamento LAU-127
- 44 x Capacetes «JHMCS»
- 28 x Mísseis de médio alcance AIM-120C-7
- 28 x mísseis de curto alcance AIM-9M «Sidewinder»
- 60 x Bombas guiadas GBU-31/32 «JDAM»
- 36 x Bombas guiadas AGM-154 «JSOW»
- 10 x mísseis AGM-88B «HARM»

- 36 x Pods AN/ASQ-228 (V2) (ATFLIR)
- 36 x Sistemas de interferência rádio AN/ALQ-214
40 x Sistemas de conttramedidas de guerra electrónica AN/ALE-47
- 112 x «iscos rebocados» AN/ALE-50

Tanto franceses quanto americanos, terão já feito propostas generosas, que se estendem ao fornecimento de aeronaves adaptadas para utilização pela marinha do Brasil.
A questão final, com propostas sendo avançadas nos últimos momentos, está intimamente ligada a questões geoestratégicas, ao papel do Brasil na América do Sul, e ao reconhecimento por parte dos Estados Unidos da liderança do Brasil nessa parte do continente.

Numa altura em que a tensão entre Colômbia e Venezuela cresce e em que o regime de Caracas se torna mais agressivo, não é clara qual seria a situação no caso de no futuro Hugo Chavez se voltar contra o Brasil na hipótese de em Brasília haver um governo que não seja favorável às teses chavistas.

Neste caso, a argumentação de Washington, é a de que em caso de conflito, e sabendo-se que militarmente a Venezuela depende do governo da Rússia, o que um Brasil alinhado com a França e portanto com as posições europeias tradicionalmente em cima do muro poderá fazer ?
A Europa apoiará o Brasil se a Rússia fechar a torneira do Gás ?
A argumentação americana não deixará de girar em torno da eventual facilidade de acesso em caso de crise a sistemas adicionais de defesa e do apoio, que pode ser concedida pela parafernália eletrônica que os Estados Unidos podem disponibilizar para seus aliados, que não está ao alcance de mais ninguém.

A tensão ante a necessidade de uma decisão aumenta perante os novos lances. Além de uma decisão técnica, os brasileiros têm agora que pesar os prós e os contras das propostas. Para já sabe-se que a Força Aérea atrasou para Setembro a entrega de um relatório final e o terceiro concorrente, a SAAB, também ainda terá que vir ao Brasil apresentara sua última proposta e seus últimos trunfos.
A decisão será seguramente política, e estratégica para o futuro do Brasil e eventualmente da América Latina.


O F-18 é uma aeronave que é utilizada pela marinha dos Estados Unidos. É o maior dos caças propostos e no pedido inicial de informação só era ultrapassado pelo caça russo Su-35, que foi eliminado na primeira fase.
O F-18 é mais lento que o Rafale, não consegue atingir a mesma altitude mas tem um custo bastante menor e alegadamente é muito mais barato de manter. É um caça já desenvolvido e que segundo muitos não terá mais desenvolvimentos. O caça francês por seu lado, tem o problema inverso. Ainda não conseguiu vender um único exemplar e voa sob o manto da ameaça de consolidação da industria aeronáutica europeia, onde outro modelo que também é fabricado por uma empresa com interesses franceses, o Eurofighter / Typoon-II da EADS, é visto como tendo muito mais potencial.

[1] - consoante a análise dos sistemas que podem ser fabricados no Brasil.


Últimas noticias sobre este tema

Saab Gripen E/F

FX: Rafale estaria de fora

Embraer pode desistir de vender Super Tucano

Novela brasileira do F/X-2

MMRCA indiano agita F/X-2 brasileiro

Rafale para a Índia pode deixar Brasil de fora

RAFALE: Franceses tentam mais uma vez !

F-18/E/F volta à mó de cima

 
| Forças Armadas de Angola | Exército Brasileiro | Exército Português | Força Aérea Brasileira | Força Aérea Portuguesa | Marinha do Brasil | Marinha Portuguesa | Forças Armadas de Moçambique | Forças Armadas da Guiné-Bissau | Timor - Sociedade | Forças de defesa de Timor | Brasil | Moçambique | Portugal | Listagem de todas as notícias | Listar todos os navios | Listar todas as aeronaves | Listar armas ligeiras | Listar todos os veículos | Artigos de opinião | Médio Oriente | União Europeia | Europa fora a UE | América do Norte | América do Sul e Caribe | África | Índia e Asia Central | Ásia e Oceânia